Primeiro soldado russo julgado na Ucrânia, de 21 anos, pede 'perdão'

Soldado russo de 21 anos foi o primeiro julgado por crimes de guerra na Ucrânia. Ele pode ser condenado à prisão perpétua
O soldado russo Vadim Shishimarin: julgamento na Ucrânia por crimes de guerra (AFP/AFP)
O soldado russo Vadim Shishimarin: julgamento na Ucrânia por crimes de guerra (AFP/AFP)
Por Da redação, com agênciasPublicado em 19/05/2022 10:32 | Última atualização em 19/05/2022 10:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O primeiro soldado russo julgado na Ucrânia por crimes de guerra pediu "perdão" nesta quinta-feira, 19, em um tribunal de Kiev ao detalhar como matou um civil no início da invasão russa.

"Sei que você não poderá me perdoar, mas, mesmo assim, peço perdão", afirmou o sargento russo Vadim Shishimarin, de 21 anos, à esposa de um civil de 62 anos que ele admitiu ter matado no nordeste da Ucrânia em 28 de fevereiro.

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

Shishimarin pode ser condenado à prisão perpétua na Ucrânia por acusações de crimes de guerra e assassinato premeditado.

Ele declarou no tribunal que atirou na vítima quando ele e outros soldados russos estavam em retirada e tentavam encontrar suas unidades na Rússia.

LEIA TAMBÉM: Jovens, pobres e minorias: quem são os soldados russos mortos na Ucrânia

Os soldados encontraram um carro civil, da marca Volkswagen, que sequestraram.

"Queríamos chegar onde estava o nosso exército e voltar para a Rússia", explicou Shishimarin. "Na estrada, enquanto dirigíamos, vimos um homem. Estava falando no telefone e disse que nos entregaria", acrescentou.

Shishimarin explicou que outro soldado russo que viajava no mesmo carro - que segundo ele não era seu comandante e a quem chamou de soldado "desconhecido" - afirmou para que atirasse.

"Começou a falar em tom contundente que eu deveria atirar. Ele disse que se não fizesse, poderia ser perigoso. Atirei a curta distância e o matei", confessou.

LEIA TAMBÉM: 'Servo do Povo': HBO Max exibe série com Zelensky, presidente da Ucrânia

O soldado ficou de cabeça baixa durante o depoimento de Katerina Shelipova sobre a morte do marido.

Outros soldados russos devem ser julgados em breve na Ucrânia. Kiev afirma que abriu milhares de processos por crimes de guerra desde que Moscou iniciou a invasão em 24 de fevereiro.

Mortos na guerra da Ucrânia

A ONU estima mais de 14 mil mortes na guerra iniciada em 24 de fevereiro, incluindo quase 4 mil civis e soldados russos e ucranianos.

A organização, no entanto, aponta que o número deve ser maior, uma vez que nem todas as vítimas puderam ser confirmadas.

Enquanto isso, o número de refugiados que deixaram a Ucrânia superava 6 milhões até 19 de maio, ainda segundo a ONU. A população de refugiados é majoritariamente de mulheres e crianças, uma vez que homens acima de 18 anos estão proibidos de deixar o país em meio à guerra.

(Com informações da AFP)

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.