Mundo

Como foi o resgate de reféns em Gaza: um sucesso para Israel, mas que agrava a crise humanitária

A ação das forças israelenses no resgate de reféns em Gaza, realizada em plena luz do dia, trouxe alívio a Israel, mas deixa mais um rastro de destruição nos assentamentos de refugiados palestinos

Resgate de reféns em Gaza: israelenses se reúnem com bandeiras em frente ao Centro Médico Sheba Tel HaShomer em Ramat Gan em 8 de junho de 2024, para onde quatro reféns israelenses foram transferidos após serem libertados do cativeiro do Hamas na Faixa de Gaza (JACK GUEZ / AFP)

Resgate de reféns em Gaza: israelenses se reúnem com bandeiras em frente ao Centro Médico Sheba Tel HaShomer em Ramat Gan em 8 de junho de 2024, para onde quatro reféns israelenses foram transferidos após serem libertados do cativeiro do Hamas na Faixa de Gaza (JACK GUEZ / AFP)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 9 de junho de 2024 às 11h42.

Última atualização em 9 de junho de 2024 às 11h52.

Tudo sobreConflito árabe-israelense
Saiba mais

No sábado, 9, uma operação arriscada das forças israelenses resultou no resgate de quatro reféns mantidos pelo Hamas na Faixa de Gaza. A operação, coordenada pelo chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel, Herzi Halevi, ocorreu às 11h25, horário local, e foi acompanhada de perto por autoridades de segurança no centro de comando da agência Shin Bet.

As equipes de contraterrorismo israelenses invadiram dois blocos de apartamentos em Nuseirat, no centro de Gaza, onde os reféns estavam sendo mantidos. A ação gerou um intenso confronto com militantes do Hamas e resultou em um combate nas ruas antes que os soldados conseguissem evacuar os reféns por helicópteros.

Durante a operação, um oficial israelense foi mortalmente ferido e cerca de 100 palestinos foram mortos ou feridos, incluindo militantes do Hamas e civis. Em resposta, o Hamas classificou a ação como "brutal e bárbara", afirmando que 210 palestinos foram mortos e 400 ficaram feridos, sem especificar quantos eram combatentes.

Imagem dos quatro reféns do Hamas: resgatados pelo Exército de Israel em 8 de junho de 2024. — Foto: Forças Armadas de Israel

O resgate foi recebido com alívio e celebração em Israel, proporcionando um raro momento de alegria em meio à crise nacional. Em Tel Aviv, banhistas comemoraram ao ouvir a notícia pelos alto-falantes, e âncoras de televisão choraram ao divulgar o sucesso da operação.

Para os civis palestinos em Gaza, no entanto, o dia foi marcado por mais bombardeios, mortes e destruição. Moradores de Nuseirat relataram que o bombardeio tornou o dia um dos piores da guerra, expressando também raiva contra o Hamas por manter reféns em áreas residenciais.

A operação representou uma mudança de tática para as forças israelenses, que optaram por agir em plena luz do dia, pegando os captores de surpresa. O porta-voz do exército israelense, contra-almirante Daniel Hagari, comparou a operação ao famoso resgate de reféns no aeroporto de Entebbe, em 1976.

Ajuda dos EUA

Desde outubro, uma equipe de militares dos EUA tem auxiliado Israel na busca por reféns, utilizando drones para coletar informações. Antes da operação de sábado, 120 pessoas capturadas no ataque de 7 de outubro ainda estavam em cativeiro em Gaza, muitas das quais são presumidamente mortas.

Em maio, Israel localizou a refém Noa Argamani em um bloco de apartamentos em Nuseirat, junto com três reféns masculinos: Almog Meir Jan, Andrei Kozlov e Shlomi Ziv. Famílias gazenses residiam nos apartamentos, junto com os captores do Hamas.

Para evitar alertar outros captores, as forças israelenses decidiram atacar os dois prédios simultaneamente. A unidade contraterrorista Yamam treinou exaustivamente para a operação, utilizando modelos dos edifícios. As forças chegaram ao centro de Gaza a partir de Israel, negando rumores de que teriam usado um píer construído pelos EUA.

Após a ordem de avanço, a força aérea israelense bombardeou alvos do Hamas em Nuseirat para criar cobertura para a operação. Comandos do Yamam chegaram às entradas dos apartamentos sem serem detectados e invadiram os prédios, surpreendendo os captores. No entanto, um líder de equipe do Yamam, Arnon Zamora, foi atingido e morreu posteriormente.

Ao deixar os edifícios, as equipes foram atacadas por combatentes do Hamas, resultando em mais confrontos e mortes de civis e militantes. Imagens divulgadas pelo exército mostraram helicópteros evacuando soldados e reféns, trazendo alívio a Israel e mais destruição a Gaza.

Acompanhe tudo sobre:Conflito árabe-israelenseIsraelFaixa de Gaza

Mais de Mundo

Exército de Israel resgata 4 reféns levados de festival de música em outubro

Colômbia anuncia suspensão de venda de carvão para Israel

Itália vota para Parlamento Europeu em eleições cruciais para Meloni

Astronauta da Apollo 8 morre em acidente aéreo aos 90 anos

Mais na Exame