A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Caso raro: moeda da Coreia do Norte se valoriza 25% frente ao dólar

Em meio a pior crise econômica em 20 anos, won não para de subir, intrigando especialistas; repressão a uso do dólar e fechamento de fronteiras pode estar por trás do fenômeno

Os economistas estão com dificuldade de entender um caso raro de valorização de uma moeda em meio a uma recessão e projeções pessimistas para o curto, médio e longo prazo. O won, da Coreia da Norte, teve uma valorização de 25% em relação ao dólar este ano, apesar da derrocada econômica do país -- no ano passado, o PIB teve a maior queda das últimas duas décadas, com uma contração de 5.9% na produção industrial e 7,6% na agropecuária. E as exportações caíram 70%, com o fechamento das fronteiras em função da pandemia.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Ao mesmo tempo, o won não parou de se valorizar, o que tem deixado muitos especialistas intrigados. Uma combinação de fatores pode estar por trás do fenômeno. Um deles é uma possível repressão ao uso de moeda estrangeira. Diversos varejistas na capital, Pyongyang, deixaram de aceitar dólar em pagamentos feitos por estrangeiros, segundo a embaixada da Rússia.

Também há relatos de que as autoridades estão solicitando que os cidadãos informem o valor das reservas em dólar que mantém em casa. Os norte-coreanos costumam guardar dólares para compras especialmente de importados vindos da China, de acordo com a NK Investment Development, empresa de pesquisas e dados sobre o mercado do país. 

Soma-se a isso o fechamento das fronteiras e do comércio internacional durante a pandemia, o que praticamente zerou a necessidade de trocas em dólar. Com isso, a demanda por moeda estrangeira teria caído.

A NK Investment também desconfia que o governo possa estar forçando uma cotação artificial do won e causar uma deflação para evitar perdas piores para a economia.

Seja lá o que for, pode não acabar bem. A volatilidade do câmbio deve levar a incertezas crescentes e dificuldades na alocação de recursos, segundo Choi Ji-young, pesquisadora do Korea Institute for National Unification, da Coreia do Sul. "Embora o ganho da moeda possa beneficiar empresas apoiadas pelo governo e famílias que não possuem dólares, a instabilidade crescente do won é negativa para o país como um todo", disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também