Mundo

Em viagem de Alckmin, presidente da China elogia relação entre Brasil e o país asiático

Xi Jinping salientou a importância de acordos bilaterais entre o que ele chamou de "economias emergentes importantes"

Geraldo Alckmin durante a visita à China em junho de 2024 ( Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços)

Geraldo Alckmin durante a visita à China em junho de 2024 ( Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 7 de junho de 2024 às 10h47.

O presidente Xi Jinping elogiou a amizade entre China e Brasil ao afirmar para o vice-presidente Geraldo Alckmin que que os laços entre os países "vão muito além do âmbito das relações bilaterais".

A China é o principal parceiro comercial do Brasil, com mais de 180 bilhões de dólares (946 bilhões de reais) em comércio bilateral em 2023, com semicondutores, smartphones e produtos farmacêuticos entre as principais exportações para o Brasil.

Desde que retornou ao poder no ano passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta estabelecer um equilíbrio delicado: busca aprofundar os laços com a China e, ao mesmo tempo, melhorar as relações com os Estados Unidos.

Brasil e China tentaram estabelecer posição como mediadores no conflito na Ucrânia, ao mesmo tempo que se recusaram a adotar sanções contra a Rússia por sua invasão.

"Atualmente, o mundo enfrenta grandes mudanças nunca vistas em um século", Xi declarou a Alckmin no início de uma reunião no Grande Salão do Povo de Pequim nesta sexta-feira, 7.

"Como países em desenvolvimento e economias emergentes importantes, os laços entre China e Brasil vão muito além do âmbito das relações bilaterais e são um modelo para promover a solidariedade e a cooperação entre as nações em desenvolvimento, assim como para a paz e a estabilidade do mundo", acrescentou o presidente chinês.

A visita de Alckmin a Pequim foi apontada como uma iniciativa para preparar a adesão do Brasil ao enorme projeto de infraestrutura chinês conhecido como Iniciativa do Cinturão e Rota.

Vários países sul-americanos aderiram à iniciativa, um pilar da estratégia do presidente Xi de expandir a influência da China.

Entre os países estão Argentina, Chile, Bolívia, Equador, Peru e Venezuela. O Brasil ainda não aderiu oficialmente.

"A China é, para nós, inspiradora", disse Alckmin a Xi, ao elogiar o sucesso da China em retirar centenas de milhões de pessoas da pobreza nas últimas décadas.

 

 

Acompanhe tudo sobre:DiplomaciaBrasilChinaXi JinpingGeraldo Alckmin

Mais de Mundo

Trump promete revogar ordem de Biden sobre fechar fronteira com México

OMS confirma primeira morte humana no mundo pela gripe aviária H5N2

Partido de Claudia Sheinbaum sinaliza plano de reforma constitucional no México

Navios de guerra russos chegarão em Havana na próxima semana

Mais na Exame