BNDES vai ser mais "verde" e "digital", diz Gustavo Montezano

Em Davos, o presidente do BNDES diz que o banco vai atuar cada vez mais para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Mas é necessário acabar com a "síndrome do vira-lata ambiental" do Brasil
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Por Carlo Cauti, enviado especial em Davos, SuíçaPublicado em 28/05/2022 21:08 | Última atualização em 28/05/2022 21:21Tempo de Leitura: 10 min de leitura

Para o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, a pauta da Amazônia ainda ficou na mesa no Fórum Econômico Mundial de Davos.

Em entrevista exclusiva à EXAME direto de Davos, Montezano explicou como o legado de sua gestão será transformar um BNDES em um banco cada vez mais "verde" e "digital".

O executivo explicou que o BNDES está atuando cada vez mais para um desenvolvimento sustentável da região Amazônica. Que permita conjugar crescimento econômico com preservação ambiental.

"Estamos trabalhando para contribuir com a preservação da Amazônia. Mais de 84% de nossa floresta é preservada. Não somos os vilões, somos os heróis", disse Montezano.

O presidente do BNDES também antecipou os próximos passos do banco, como tomar mais riscos e financiar micro, pequenas e média empresas, saindo, ao mesmo tempo, de ativos que "não geram desenvolvimento ao Brasil".

Confira alguns trechos da entrevista exclusiva com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em Davos

Presidente, esse é seu segundo Fórum Econômico Mundial de Davos. Qual o legado desse evento e o que fica em relação a visão do Brasil?

Eu diria que eu não saí daqui com grandes surpresas de, vamos dizer, entendimento global. Mas saio com mais certeza da leitura. Acredito que a agenda em que estamos levando adiante no BNDES, obviamente alinhado com o mistério da Economia, com o das Infraestruturas e com o do Meio Ambiente, está bem aderente ao cenário global. Isso reforça nossa direção.

Os bancos de investimento da Europa abriram as torneiras do crédito. Estão investindo a todo vapor para tentar fazer frente à crise provocada pela invasão da Ucrânia. O BNDES, por sua vez, está reduzindo sua carteira, vendendo ações no mercado. O que que o senhor acha dessa política contracíclica? O Brasil está na contramão?

O que está acontecendo é que os bancos de desenvolvimento estão se reposicionando. Grande parte desses bancos surgiu após a Segunda Guerra Mundial para reconstruir o mundo. Então, como agora o mundo passa também por uma fase de reconstrução, esses bancos estão tomando um novo protagonismo. Só que de uma forma um pouco diferente do que se foi no passado, onde eram bancos de desembolso, financiamento, subsídio. Agora são bancos de projetos, criar mercados e assumir mais riscos. E essa discussão a gente está vendo. O BNDES está fazendo a mesma coisa. Assim como o banco de desenvolvimento dos Estados Unidos, Reino Unido, França. Não é tanto o volume de dinheiro que importa, mas é mais criação de mercado. E todo mundo se reposicionando em linha com o que o BNDES está fazendo também.

O senhora falou em assumir mais riscos. Mas o BNDES está vendendo bastante ativos de risco. Bastante ações de empresas que participou no passado. Essa não seria uma saída do risco?

Na verdade, não. A razão de sair desses ativos prioritariamente é porque eles não trazem desenvolvimento ao Brasil. Um banco público que fica especulando com ação na Bolsa de Valores não desenvolve o Brasil de forma nenhuma. Então a gente tá realocando esse capital de posições especulativas para alocar em crédito de carbono. Alocar em project finance. Alocar em micro, pequena e média empresa. Alocar em fundos de impacto. Estamos reposicionando o capital.

O senhor acha que campeões nacionais como JBS ou outros, não criam desenvolvimento do Brasil?

Não criam. Mas são dois pontos a serem considerados. O primeiro é se vale ou não o BNDES investir diretamente em uma empresa. E aí você pode até ter um debate, se desenvolve ou não desenvolve o Brasil. Essa é uma parte da discussão. A outra discussão é se vale a pena carregar no balanço ações de empresas maduras. A JBS é uma empresa madura. A Vale é uma empresa madura. A Petrobras é uma empresa madura. O BNDES não agrega em nada ao desenvolvimento do Brasil carregando essas posições. O ponto é se vale a pena colocar ou não capital na empresa. Se aquele capital gera obra, emprego. Essa é uma discussão válida. Mas carregar ações somente para especular em Bolsa não faz sentido.

Quanto é hoje a carteira de crédito do BNDES?

Cerca de R$ 470 bilhões.

Nos governos anteriores essa carteira chegou a superar os R$ 500 bilhões. Essa tendência de redução vai continuar ou vai se estabilizar?

O BNDES, no passado, desembolsava recursos subsidiados. Não era um produto vendido, era um produto comprado. Qualquer cliente que fosse fazer uma obra no Brasil que não pegasse os recursos subsidiados do BNDES não tinha vantagem competitiva. Portanto, o banco distribuía vantajosidade econômica. Por isso que o banco sequer chamava os seus clientes de clientes, mas de beneficiários. Beneficiários que operavam no BNDES com quase que uma obrigação por concorrência competitiva de pegar aquele recurso, de fazer o projeto. Desde 2016 esses subsídios estão se encerrando. O modelo de negócio do BNDES está mudando. Então, não dá para você comparar a carteira da época, que que tinha um modelo de negócio de um monopolista distribuidor de subsídio, com a carteira atual. De um banco que assume risco, desenvolve projetos e investe com o mercado. São modelos de negócios diferentes. Olhando para a frente,  nossas projeções mostram o banco crescendo carteiras nos próximos anos.

Uma carteira diferente, então.

Diferente. Com mais assunção de risco e operando mais conjuntamente com o mercado. Vamos financiar projetos em que você assume o risco diretamente, sem aval do acionista ou fiança bancária. Vamos ter mais exposição a risco com pequenas e médias empresas. Vamos desenvolver o mercado de carbono no Brasil. É desse tipo de risco que estamos falando.

Mas financiar pequenas e médias empresas acaba tendo um risco maior. Os juros cobrados vão ser diferentes para esse tipo de crédito concedido? Ou vai ser um juro equitativo para todos?

A ideia é disponibilizar o capital do banco, ou recursos orçamentários do governo federal, para garantir esse crédito. Para que as empresas possam ter uma redução nos juros que elas vão tomar perante os bancos comerciais.

Então, de fato o BNDES vai atuar como fundo de garantia?

Um fundo garantidor, exatamente. Essa é a ideia.

O que o senhor acha do modelo da taxa de juros de longo prazo (TJLP)?

Acredito que para pequena e média empresa a taxa de juros é menos relevante. Não importa muito a taxa de juros básica, o que importa é o spread de crédito. Devemos trabalhar para reduzir pra esse spread no Brasil. Justamente por isso que o aval do fundo garantidor é tão eficiente para o mercado. O estoque de crédito para pequenas e médias empresas no Brasil cresceu entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2022 mais de 50%, chegando em R$ 800 bilhões. O que foi isso? Justamente o governo dando garantia para que as empresas pudessem tomar recursos. Isso demonstra a potência dessa atuação do poder público. De como gera um empréstimo na ponta.

Como essas pequenas e médias empresas serão selecionadas?

O fornecimento de crédito vai ser transversal para as micro e pequenas empresas, porque não faz tanta diferença para qual empresa você está dando. No caso das médias, teremos vínculos de eficiência energética, impacto social, e outras questões específicas.

O ministro Guedes disse que ninguém o questionou sobre a Amazônia aqui em Davos. O senhor participou de um painel sobre a Amazônia. O senhor tem a mesma percepção? O Brasil não é mais considerado um "inimigo" do meio ambiente?

A pauta de Amazônia, ela está ainda na mesa. Fui questionado sobre isso em algumas ocasiões. A verdade é que a gente tem que entender mais do assunto. Devemos entender mais da parte climática e ambiental. Pois quando se fala de aquecimento global, o grande fomentador do aquecimento global são os Estados Unidos. Em segundo lugar, a Europa. Então quem tornou o clima global desafiador ou arriscado são os países desenvolvidos. Não são os países emergentes na América do sul ou na África. A questão do desmatamento da Amazônia é uma questão social, além de uma questão de segurança pública. Naturalmente, ela tem uma consequência ambiental. Mas é questão de segurança pública, uma questão social. Além disso, no final do dia, 84% da nossa Amazônia é preservada. Então, o que eu digo é que preservar a Amazônia, um ativo desse tamanho, é um desafio global que ninguém da história do mundo conseguiu fazer até hoje. Não conheço um ativo ambiental do porte da Amazônia que tenha sido preservado no mundo.

O senhor falou de Estados Unidos e Europa, como maiores poluidores. Mas é a China, na verdade, a maior poluidora, seguida pela Índia.

A China é a maior poluidora hoje, mas como gás de efeito estufa é acumulado, o estoque da China está atrás dos EUA. E, me desculpa, a China tem 1,4 bilhão de pessoas, é uma população 4 vezes maior que a dos Estados Unidos, 4 vezes. Então vamos comparar banana com banana, né?

Como um banco de desenvolvimento como o BNDES deveria atuar na defesa da Amazônia?

Se pensamos em vetores de competitividade econômica hoje, falamos de acesso à energia resiliente limpa, acesso à comida, resiliência e baixo carbono, ativos florestais. Tudo isso chamamos de economia verde. Essa é uma pauta de competitividade em qualquer discussão de negócios no mundo atual. Então, quando você pega o patrimônio ambiental do Brasil de Amazônia, mata Atlântica, rios, mares, isso tudo é um grande patrimônio. As economias de mercado estão realizando esse valor. O que eu tenho dito é: ainda bem que o mundo entendeu que o ecossistema fazem parte dos sistemas econômicos. Ainda bem. Temos um enorme ecossistema no Brasil. Vamos trabalhar para que isso possa construir empregos, gerar renda com os rios limpos, com a Floresta em pé e com a biodiversidade preservada. É um bom negócio para o Brasil. Então vamos atuar nisso.

São os investidores que estão pedindo isso?

Não são os investidores. Assinamos o Acordo de Paris sobre o Clima onde o Brasil, junto com o resto do mundo se comprometeu a reduzir as emissões. Cada vez mais o mercado está precificando carbono nos produtos. Se conseguirmos exportar soja "carbono neutro", aço "carbono neutro", ferro "carbono neutro", carro "carbono neutro" teremos uma vantagem competitiva.

O governo atual é alvo de muitas críticas dentro do Brasil por, supostamente, não fazer o suficiente para preservar a Amazônia. O que o senhor acha disso?

Essas críticas estão erradas. E atrapalham muito as negociações com outros países e com empresas estrangeiras. Atrapalham os brasileiros mais necessitados. O governo brasileiro sabe muito bem que a pauta climática, hoje, faz parte de qualquer pauta econômica e de acordos internacionais. Então, quando nós mesmos colocamos o Brasil como vilão na pauta climática, estamos prejudicando os brasileiros mais necessitados. Estudando apenas pouquinho mais do assunto, aparece evidente como foram os países desenvolvidos que criaram o problema no passado. Eles têm que pagar. Os países emergentes são a solução do problema. Então, quando os próprios brasileiros, na minha visão, por falta de entendimento e profundidade do tema, colocam o Brasil como o vilão do clima, o que não é verdade, pioramos a condição de negociação Internacional. Devemos parar com essa síndrome do vira-lata ambiental. O Brasil é o grande herói da preservação da Amazônia. Não o vilão.

Qual será o seu legado para o BNDES?

O BNDES será um banco de desenvolvimento cada vez mais verde e cada vez mais digital.

Última pergunta, no ano que vem encontrarei o senhor de novo aqui em Davos?

Espero que sim. Política não é a minha praia, mas estamos planejando tudo para o longo prazo.