• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Biden: novo ataque em Cabul é 'muito provável' em 24 ou 36 horas

O aeroporto da capital do Afeganistão, controlado pelos EUA, foi alvo de atentado do Estado Islâmico na quinta-feira
Biden: morte de 13 militares americanos em atentado do EI ampliou cobranças ao governo (Getty Images/Bloomberg / Colaborador)
Biden: morte de 13 militares americanos em atentado do EI ampliou cobranças ao governo (Getty Images/Bloomberg / Colaborador)
Por Da Redação, com AFPPublicado em 28/08/2021 18:12 | Última atualização em 28/08/2021 18:12Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, alertou neste sábado, 28, que um novo ataque ao aeroporto de Cabul é "muito provável" nas "próximas 24 a 36 horas". 

O mandatário americano disse ainda que o bombardeio de drones que matou dois membros do grupo Estado Islâmico neste sábado não será "o último".

"A situação no local continua extremamente perigosa e a ameaça de um ataque terrorista no aeroporto continua alta", escreveu o presidente em um comunicado após se reunir com seus conselheiros militares e de segurança.

"Nossos comandantes me informaram que um ataque nas próximas 24 a 36 horas é muito provável."

O ataque americano ocorreu como resposta a um atentado contra militares americanos e civis no Afeganistão. Dois homens-bomba detonaram na quinta-feira, 26, explosivos no aeroporto de Cabul.

Os EUA acusaram o Estado Islâmico (que é visto como rival do Talibã) de estar por trás do ataque, e a organização também reivindicou a autoria do atentado.

Ao menos 13 militares americanos morreram e o número de vítimas civis deve ser de ao menos 90 afegãos. 

O ataque motivou retaliações por parte dos militares dos EUA, que mataram dois "alvos importantes" do EI no Afeganistão, segundo anunciou o Pentágono hoje. Washington não revelou os nomes de seus alvos.

"Eu disse que iríamos atrás do grupo responsável pelo ataque a nossas tropas e civis inocentes em Cabul, e fomos", disse Biden em sua declaração.

"Este ataque não foi o último. Continuaremos a rastrear qualquer indivíduo envolvido neste atentado hediondo e faremos com pague por isso".

Nome dos mortos em Cabul

Na tarde deste sábado, o Pentágono divulgou a identidade dos 13 soldados mortos no ataque de quinta-feira.

Cinco deles tinham 20 anos, a exata duração da guerra mais longa já travada pelos Estados Unidos, que começou em 2001 no Afeganistão.

Os EUA invadiram o Afeganistão após os atentados de 11 de setembro, acusando o país de apoiar a Al Qaeda e o terrorista Osama Bin Laden.

"Sua coragem e altruísmo permitiram até agora que mais de 117.000 pessoas em perigo estivessem seguras", disse Biden sobre a morte dos soldados e o processo de evacuação no Afeganistão.

Os restos mortais desses soldados foram enviados para os Estados Unidos neste sábado, segundo o Pentágono.

Apesar de o Talibã ter vencido o então governo afegão e tomado Cabul em 15 de agosto, o aeroporto ainda é controlado pelos EUA, que lidera uma operação de evacuação de americanos, outros estrangeiros e aliados afegãos que buscam fugir do país.

A data para que os EUA deixem completamente o aeroporto é 31 de agosto, embora governos europeus que também atuam no Afeganistão tenham pressionado Biden para ampliar a missão de retirada dos cidadãos.

O temor de novos atentados no aeroporto é um dos motivos apontados pelos EUA para defender que a operação seja encerrada ainda neste mês.

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME.