Biden e Xi Jinping se reúnem pela primeira vez antes da cúpula do G20

O primeiro encontro presencial de Biden e Xi com ambos na presidência marcará o tom da reunião de cúpula
EUA e China: Com as duas potências disputando influência política, econômica e militar no Pacífico, onde uma corrida armamentista acontece há vários anos, Biden quer estabelecer as "linhas vermelhas" na rivalidade (AFP/AFP)
EUA e China: Com as duas potências disputando influência política, econômica e militar no Pacífico, onde uma corrida armamentista acontece há vários anos, Biden quer estabelecer as "linhas vermelhas" na rivalidade (AFP/AFP)
A
AFP

Publicado em 14/11/2022 às 06:24.

Última atualização em 14/11/2022 às 06:26.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o chefe de Estado da China, Xi Jinping, se reúnem nesta segunda-feira, 14, em Bali para abordar suas muitas divergências e estabelecer "salvaguardas" a sua rivalidade antes da cúpula de líderes mundiais do G20.

O primeiro encontro presencial de Biden e Xi com ambos na presidência marcará o tom da reunião de cúpula, afetada de maneira antecipada pelas tensões geopolíticas, em particular as vinculadas à guerra na Ucrânia.

As divergências entre as duas maiores economias do planeta aumentaram nos últimos três anos: da concorrência comercial às polêmicas sobre a origem da pandemia de covid, passando pelas críticas aos direitos humanos na China ou a respeito do status de Taiwan.

Com as duas potências disputando influência política, econômica e militar no Pacífico, onde uma corrida armamentista acontece há vários anos, Biden quer estabelecer as "linhas vermelhas" na rivalidade.

O objetivo final é estabelecer "salvaguardas" e esclarecer as "regras ao longo do caminho". "Fazemos tudo isto para evitar que a concorrência vire um conflito", disse um alto funcionário da Casa Branca.

A delegação americana deseja convencer Pequim a pelo menos controlar a Coreia do Norte, após os vários lançamentos de mísseis este ano e os temores de um teste nuclear.

Xi, que adotou uma política externa mais agressiva, chega ao encontro de cúpula fortalecido depois de ter sido eleito para um histórico terceiro mandato e provavelmente com pouco incentivo para ajudar seu principal rival.

O presidente chinês chegou a Bali duas horas e meia antes da reunião, a sua segunda viagem ao exterior desde o início da pandemia.

O governo chinês afirmou que espera que o encontro entre Xi e Biden volte a colocar as relações "no caminho certo".

"Esperamos que os Estados Unidos trabalhem em conjunto com a China, mantendo de maneira apropriada as diferenças sob controle, promovendo uma cooperação mutuamente benéfica e evitando mal-entendidos e erros de julgamento, para levar as relações EUA-China de volta ao caminho certo, para um desenvolvimento estável e saudável", disse a porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Mao Ning, à AFP.

Na agenda de Xi Jinping também estão reuniões com os presidentes da França, Emmanuel Macron, da Argentina, Alberto Fernández, e com o primeiro-ministro da Austrália, Anthony Albanese.

A sombra de Ucrânia

O encontro bilateral pode ofuscar o início de uma reunião marcada pela guerra na Ucrânia, apesar dos esforços da Indonésia para tratar de questões como a cooperação econômica ou mudança climática.

O conflito não está oficialmente na agenda, mas suas consequências são difíceis de ignorar: aumento expressivo dos preços dos alimentos, encarecimento da energia, desaceleração da recuperação econômica após a pandemia e temores de recessão.

Com até 17 chefes de Estado e de Governo presentes na ilha paradisíaca da Indonésia, o grande ausente na mesa será o presidente russo, Vladimir Putin.

A Rússia será representada pelo ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, que afirmou rejeitar a "politização do G20, a introdução de questões não relacionadas e que deliberadamente provocam conflitos nas discussões".

Em uma aparente mensagem a Moscou, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, defendeu em Bali que a melhor coisa para a economia mundial é "acabar com a guerra da Rússia".

Em uma tentativa de permanecer neutra no conflito, a Indonésia driblou as pressões ocidentais para afastar Putin do evento, mas, ao mesmo tempo, convidou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que discursará por vídeo.

A reunião oficial acontecerá na terça-feira e quarta-feira, com três sessões de trabalho, concentradas na segurança alimentar e energética, saúde transformação digital.

Depois de várias reuniões prévias sem qualquer acordo pelas tensões geopolíticas, analistas consideram difícil que a reunião divulgue uma declaração conjunta dos líderes do bloco, que representa mais de 80% do PIB mundial.

O principal acordo anunciado antes do encontro é a criação de um fundo de 1,4 bilhão de dólares para a preparação a futuras pandemias, algo que a Indonésia, país anfitrião, considera insuficiente.

Em fim de mandato, o presidente Jair Bolsonaro vai enviar uma representação esvaziada para a 17ª Cúpula do G20, em Bali, na Indonésia. Além de o próprio Bolsonaro ter desistido da viagem, o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro da Economia, Paulo Guedes, recusaram liderar a comitiva brasileira. A delegação será chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

LEIA TAMBÉM: 

COP-27: Lula terá encontro com governadores da Amazônia e fala na área da ONU

Marina Silva: a reindustrialização virá a partir do meio ambiente e do conhecimento ancestral