Biden começa viagem ao Oriente Médio e encara situação delicada

A viagem ao Oriente Médio começa por Israel nesta quarta-feira, 13, mas todos os olhares estarão voltados para a escala em Jidá, na Arábia Saudita
Biden: presidente visita país acusado de matar jornalista. (Denis Doyle/Getty Images)
Biden: presidente visita país acusado de matar jornalista. (Denis Doyle/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 13/07/2022 às 06:00.

Última atualização em 13/07/2022 às 06:20.

Joe Biden fará sua primeira visita à Arábia Saudita como presidente dos Estados Unidos na sexta-feira, 15, na esperança de convencer Riade a produzir mais petróleo para reduzir os preços do petróleo, que estão levando a inflação ao maior nível em décadas. A viagem ao Oriente Médio começa, na verdade, por Israel nesta quarta-feira, 13, mas todos os olhares estarão voltados para a escala em Jidá, na Arábia Saudita.

Antes de sua eleição, Biden disse que a Arábia Saudita deveria ser um país "pária", após o assassinato em 2018 do jornalista dissidente Jamal Khashoggi, e prometeu que "recalibraria" as relações com esse parceiro estratégico dos Estados Unidos.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, causando um forte aumento no preço do petróleo, que atingiu níveis não vistos desde a crise financeira de 2008, a situação é diferente.

A inflação nos Estados Unidos atingiu sua taxa mais alta em quatro décadas, o que levou Biden a deixar de lado as preocupações com os direitos humanos e diminuir a tensão com seu aliado.

A visita mostra "o desespero de Biden diante das eleições de meio de mandato para dar, pelo menos, a impressão de que ele está tentando reduzir a tensão no mercado e fazer os preços baixarem", afirmou Craig Erlam, analista da OANDA.

LEIA TAMBÉM: EUA e México reafirmam cooperação em temas como imigração

Prazo de validade

As chances de Biden seriam reforçadas pela proximidade do fim de um acordo do grupo Opep+ que regula a suspensão de sua produção.

Esse grupo – 13 países-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), liderados pela Arábia Saudita, mais dez países liderados pela Rússia – cortou a produção em 2020, quando a demanda se viu atingida pelos fechamentos provocados pela pandemia ao redor do mundo.

Desde o ano passado, eles aumentaram gradualmente a produção, à medida que as economias se recuperavam.

A OPEP+ concordou em manter os aumentos previamente decididos, descartando os apelos pra que aumentasse sua produção para conter o aumento dos preços. Este acordo expira no final de agosto e, em setembro, a OPEP+ voltará ao seu nível de produção pré-pandemia.

"O vencimento do acordo da Opep+ em setembro cria uma oportunidade e, talvez, (Biden) não fizesse isso, se não tivesse certeza de que é possível conseguir algo", acrescentou Erlam. O grupo fará sua próxima reunião em agosto para discutir a produção.

Esperanças frustradas?

A esperança de Biden de poder contar com mais ouro negro pode se ver frustrada pelos preços elevados, que alavancaram receitas e economias dos países do Oriente Médio.

"Seria uma grande surpresa, se a Arábia Saudita produzisse mais petróleo", disse o analista independente Stephen Innes.

A economia da Arábia Saudita cresceu 9,6% no primeiro trimestre, sua maior expansão em uma década.

Existe um "incentivo econômico significativo para não aumentar a produção", disse o analista da XTB Walid Koudmani. Na verdade, Riade está produzindo perto de sua capacidade máxima.

O ministro saudita das Relações Exteriores, príncipe Faisal bin Farhan, afirmou em maio que o reino "fez o que pôde" pelo mercado de petróleo. Declarou, ainda, que a indústria precisa aumentar sua capacidade de refino, em vez de extrair mais barris de petróleo.

Questão iraniana

O Irã é outro ponto sensível entre Washington e Riade. A Arábia Saudita lidera a luta contra os rebeldes huthis no Iêmen, apoiados por Teerã, enquanto os Estados Unidos buscam ressuscitar o acordo nuclear iraniano. Este pacto foi abandonado de forma unilateral, em 2018, pelo então presidente Donald Trump, antecessor de Biden.

O acordo nuclear "parecia alcançável no passado recente, em especial após o início do conflito Rússia-Ucrânia", disse Koudmani.

"Mas não se conseguiu progredir e ele pode ser abandonado pelos Estados Unidos, se obtiver garantias (de uma maior produção de petróleo) da Arábia Saudita após esta visita do presidente Biden", acrescentou.

LEIA TAMBÉM