Após Jirau, obras de Santo Antônio são paralisadas

A Camargo Corrêa informou que era "improcedente" a informação de que reivindicações trabalhistas teriam sido o motivo inicial dos incidentes

São Paulo - As obras da usina de Santo Antônio, que junto com Jirau formam o complexo hidrelétrico do Rio Madeira (RO), foram paralisadas hoje. O consórcio responsável pela construção da usina tomou essa decisão por precaução, por conta dos conflitos que ocorreram nos últimos dias na hidrelétrica de Jirau. O consórcio construtor de Santo Antonio deve divulgar ainda hoje uma nota com mais informações.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) em Rondônia vai instalar uma vara itinerante para ouvir os trabalhadores da hidrelétrica de Jirau. A instalação foi sugerida pelo presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro João Oreste Dalazen, que disse estar preocupado com a situação dos empregados e da construtora Camargo Corrêa, por conta dos conflitos.

Segundo o TST, a ideia é analisar as reivindicações dos trabalhadores. A Camargo Corrêa informou ontem que era "improcedente" a informação de que reivindicações trabalhistas teriam sido o motivo inicial dos incidentes. O Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Rondônia também divulgou uma nota em que afirmou que os conflitos não foram motivados por questões trabalhistas.

O Ministério da Justiça autorizou o emprego da Força Nacional de Segurança Pública "em caráter episódico e planejado" para a manutenção da segurança pública em Rondônia, depois do quebra-quebra ocorrido nos canteiros da obra da usina hidrelétrica de Jirau. A Força ficará no local por 30 dias, prorrogáveis se necessário.

Ontem, depois de ouvir a construtora Camargo Corrêa e avaliar as informações do Ministério das Minas e Energia e dos relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o governo decidiu mobilizar um contingente da Força Nacional e da Policia Federal para assumir o controle da situação. A construtora retirou para a capital, Porto Velho, seus 19 mil trabalhadores dos canteiros nas duas margens do Rio Madeira, paralisou tudo e não tem prazo para a retomada das obras.

O governo federal não tem dúvida de que os atos de vandalismo foram comandados por cerca de duas centenas de homens encapuzados. Eles incendiaram 45 ônibus e 15 blocos de alojamento, além dos refeitórios e de toda a área de lazer. No meio do tumulto, segundo informações levadas ao Planalto, eles chegaram a assaltar os caixas eletrônicos usados pelos trabalhadores para fazer saques de dinheiro no dia a dia do canteiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também