Amazônia e 5G: o Brasil pode correr atrás do prejuízo na política externa?

Novo episódio do podcast EXAME Política discute a reforma ministerial de Bolsonaro e as oportunidades do novo comando do Itamaraty na correção de rumos da política externa brasileira

Com a saída do Ministro Ernesto Araújo do Itamaraty e o convite de Biden à Bolsonaro para uma cúpula sobre o clima em abril, o Brasil tem uma grande oportunidade de correr atrás do prejuízo e mostrar ao mundo que deixou para trás o viés ideológico que marcou a política externa do país desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o poder em 2018. A opinião é do cientista político André César, da Hold Assessoria Legislativa, convidado especial do último episódio do podcast EXAME Política, que discutiu a dança das cadeiras que sacudiu Brasília nesta semana.

"A informação que temos do Itamaraty é que o França, o novo chanceler, apesar de muito próximo de Bolsonaro, é bem mais flexível e aberto ao diálogo que o seu antecessor. Só a saída de Araújo já é um alívio para os atores envolvidos", explicou César no Exame Política. "Agora em Abril, temos a reunião sobre o clima que o Biden convocou. Uma oportunidade importante, única, do governo Bolsonaro mostrar que mudou sua postura e que agora a história é outra."

César, entretanto, destaca que a troca do chanceler não é suficiente para corrigir os rumos da política externa brasileira - que é definida, em últimas instância, pelo próprio presidente, que também deve demonstrar uma mudança de pensamento. "O grande ministro é o próprio presidente. A política externa sai da cabeça dele. Por isso, ele tem que mudar. Se ele continuar nessa toada de conflitos, trocamos seis por meia dúzia, e nada muda", explicou o cientista político.

Fundador do IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública, Maurício Moura explica que a percepção é que, dadas as empreitadas frustradas de Araújo (como o apoio a candidatos que perderam as eleições, como Macri e Trump, e contaminação ideológica nas relações com a China), a queda do agora ex-chanceler veio mais tarde que o esperado.

A saída do ministro Araújo traz um alívio dessa agenda diplomática incompatível com o histórico brasileiro. Se você olhar a sequência de eventos friamente, ele até durou bastante. Agora, temos duas variáveis críticas: a Amazônia e o 5G. Como o Brasil vai responder ao resto do mundo? São duas demandas muito latentes.

Maurício Moura, fundador do IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública

Alinhado com Moura, César pontua que a questão do 5G também pode ser uma oportunidade de o Brasil fazer acenos positivos à comunidade internacional, mostrando que o país está aberto a discussões sem um viés ideológico. "Mas eu sou bastante pessimista em relação a capacidade do governo de tomar essas decisões. Eu não me espantaria se, ao invés de revisar, o brasil reforçasse seu posicionamento em relação ao meio ambiente, por exemplo", disse o cientista político no podcast.

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.