WEG dispara 14% após lucro crescer 32% no 2º tri e surpreender analistas

Perdas com a pandemia foram compensadas por alta do dólar, que elevou receita para além de 4 bilhões de reais; ação já subiu 90% no ano

Em mais uma demonstração de solidez financeira, a fabricante de motores elétricos WEG registrou lucro líquido de 514,375 milhões de reais no segundo trimestre do ano –montante 32% superior ao do mesmo período do ano passado e 16,9% maior do que a do trimestre anterior. O lucro por ação ficou em 0,245 reais, superando as expectativas média do mercado, que era de 0,18 reais por ação.

Com a surpresa positiva, as ações da WEG dispararam logo na abertura do pregão desta quarta-feira, 22, e fecharam com valorização de 13,89%, liderando as altas do Ibovespa.

Apesar da pandemia ter provocado perdas em alguns segmentos da companhia, os efeitos cambiais mais do que compensaram. Com a maior parte da receita proveniente do exterior, a alta do dólar acabou por impactar positivamente a receita operacional líquida, que teve crescimento anual de 23,7% no segundo trimestre. Considerando apenas a receita em dólar no mercado externo, houve queda de 10,2%.

Segundo a WEG, os efeitos do coronavírus foram mais sentidos na demanda de equipamentos de ciclo curto, devido à paralização de alguns clientes e as incertezas sobre a demanda. Por outro lado, a empresa ressalta que os negócios de ciclo longo se mostraram resilientes no período “dado o extenso processo de planejamento e decisão envolvidos em projetos que consomem estes tipos de produtos”.

Com a contínua demanda por equipamentos de ciclo longo a companhia conseguiu se manter crescendo, aumentando as receitas de equipamentos eletroeletrônicos e GTD (geração, transmissão e distribuição de energia), que tiveram crescimento anual de 20,76% e 45,79%, respectivamente. Juntas, as duas áreas representam 90,4% da receita total da companhia. Já as receitas das divisões de motores comerciais e tintas tiveram respectivas perdas de 14,57% e 11,86%. A receita total da companhia foi de 4,064 bilhões de reais – 9,4% maior que a do primeiro trimestre e 23,7% superior à do segundo trimestre de 2019.

Para atravessar o período, a companhia também buscou reduzir os custos, fazendo com que os gastos com pessoal diminuíssem de 22,9% do total do CPV para 19,9%. “Ajustes operacionais implementados rapidamente, como a redução da jornada de trabalho e salários e antecipação de férias, em conjunto com menor pressão sobre os custos de algumas matérias primas, foram fundamentais para esse desempenho”, explica a empresa.

No segundo trimestre, a companhia também adquiriu 51% de duas empresas focadas em inteligência artificial, a Mvisia e a BirminD. A ideia da WEG é aumentar a eficiência por meio de algoritmos, processamento em nuvem machine learning.

Desde o início do ano, as ações da companhia já subiram cerca de 97,62% e figuram entre as maiores altas do Ibovespa em 2020, somente atrás dos papéis da B2W.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.