Acompanhe:
seloMarketing

Banco do Brasil se envolve em polêmica e tem anúncios online suspensos

A decisão do Ministro Bruno Dantas faz parte da análise de repasses de verba do banco para sites acusados de publicar fake news

Modo escuro

Continua após a publicidade
Banco do Brasil: empresa se envolve em polêmica de anúncios publicitários (Paulo Whitaker/Reuters)

Banco do Brasil: empresa se envolve em polêmica de anúncios publicitários (Paulo Whitaker/Reuters)

M
Marina Filippe

Publicado em 28 de maio de 2020 às, 09h42.

Última atualização em 28 de maio de 2020 às, 12h52.

O Tribunal de Contas da União determinou que o Banco do Brasil deve suspender anúncios publicitários na internet -- o que inclui sites, blogs, portais e redes sociais. 

A decisão do ministro Bruno Dantas faz parte da análise de repasses de verba do banco para sites acusados de publicar fake news, denunciados pela iniciativa Sleeping Giants Brasil. 

Na semana passada, após sofrer pressão nas redes sociais, o banco afirmou que não anunciaria mais em sites como o acusado. Mas, após posicionamento do vereador Carlos Bolsonaro e outros políticos que se manifestaram contra a decisão, o banco voltou atrás.

"O BB considerou em sua decisão as políticas declaradas pela própria ferramenta de impulsionamento que não permitem a veiculação de anúncios em sites que façam declarações falsas, disseminem conteúdos enganosos ou omitam informações. Ademais, a própria ferramenta estabelece como sua missão oferecer aos seus usuários informações confiáveis, bem como se compromete a agir diariamente para minimizar conteúdos que violem suas políticas e impedir ação de pessoas mal intencionadas em sua rede", afirma o banco em nota.

O vai e vem fez com o que o TCU determinasse a suspensão da publicidade do banco na internet. Segundo a Folha de S. Paulo, uma auditoria  revelou que o Banco do Brasil investiu cerca de 119 milhões de reais com publicidade online em 2019.

Após a polêmica, o ministro Dantas autorizou também o envio de documentos ao Supremo Tribunal Federal, para que o material seja incorporado ao inquérito do STF que investiga a propagação de fake news.

Também, em nota, BB disse que não incentiva a disseminação de fake news ao mesmo tempo em que não condiciona a exibição de suas propagandas comerciais à concordância editorial com os conteúdos divulgados por qualquer veículo de comunicação. "O BB respeita, por definição, a liberdade editorial dos veículos em que exibe suas campanhas comerciais, desde que respeitados limites éticos e diretrizes da marca."

Últimas Notícias

Ver mais
Banco do Brasil leiloa imóveis comerciais com lances mínimos até 70% abaixo do valor de mercado
seloMercado imobiliário

Banco do Brasil leiloa imóveis comerciais com lances mínimos até 70% abaixo do valor de mercado

Há uma semana

Associação Brasileira de Anunciantes apresenta nova gestão 2024-2026
seloMarketing

Associação Brasileira de Anunciantes apresenta nova gestão 2024-2026

Há 2 semanas

Gráfica que imprime dinheiro de papel há 160 anos vai participar de desenvolvimento do Drex
Future of Money

Gráfica que imprime dinheiro de papel há 160 anos vai participar de desenvolvimento do Drex

Há 4 semanas

“O Brasil precisa falar mais sobre longevidade”, diz CEO da Brasilprev
seloCarreira

“O Brasil precisa falar mais sobre longevidade”, diz CEO da Brasilprev

Há um mês

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais