Invest

Conheça os ativos “queridinhos” dos brasileiros no exterior

A renda fixa lidera as preferências dos investidores no mercado internacional, segunda pelos ETFs e as ações; entenda o que estimula as preferências

Procura por ativos de renda fixa, de baixa volatilidade, reflete um perfil mais conservador e com menos apetite a risco do brasileiro. (	Jackyenjoyphotography/Getty Images)

Procura por ativos de renda fixa, de baixa volatilidade, reflete um perfil mais conservador e com menos apetite a risco do brasileiro. ( Jackyenjoyphotography/Getty Images)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 3 de junho de 2024 às 11h30.

Última atualização em 12 de junho de 2024 às 11h44.

Levantamento feito pela Nomad, fintech brasileira com o objetivo de facilitar o acesso dos brasileiros a uma vida financeira global, mostra que a renda fixa ocupa o primeiro lugar entre as preferências de investimentos dos clientes no exterior. Na sequência estão os ETFs e as ações.

Em comum, são ativos com um grande volume de negociação. Com isso, há a atratividade da liquidez. Outra característica é o tempo de negociação, o que resulta em um histórico de solidez. A partir disso, a conclusão é que os brasileiros que investem no exterior estão em busca das alternativas mais confiáveis no mercado global.

Como explica Paula Zogbi, head de Conteúdo da Nomad, a procura por ativos de renda fixa, de baixa volatilidade, reflete um perfil mais conservador e com menos apetite a risco do brasileiro, que também é visto nas carteiras de ativos domésticos.

Atualmente, os dois ativos que mais chamam a atenção dos brasileiros são os ETFs de títulos do Tesouro Americano. Este investimento é apontado como o menor risco de crédito do mundo. O ativo está com juros historicamente elevados por conta da política monetária restritiva do Banco Central americano, o Fed, que busca frear a inflação pós-pandemia.

Praticidade

O terceiro ativo que se destaca, segundo a head de Conteúdo da Nomad, é um ETF diversificado em títulos e fundos de renda fixa e de ações, de forma a montar um portfólio focado em investidores conservadores. “Isso reflete uma busca por praticidade, já que o investidor consegue uma alocação balanceada e diversificada sem precisar comprar os ativos individualmente.”

Na sequência, estão outros ETFs com o mesmo perfil, além de um ETF que replica o principal índice da bolsa americana (S&P 500), e de algumas das maiores empresas do mundo – parte delas ligadas a tecnologia e inteligência artificial (IA) que, como lembra a head da Nomad, o grande tema que tem sustentado as altas recentes do mercado.

“Fora isso, o REIT Realty Income Corporation também representa diversificação, mas no setor imobiliário. É um REIT com mais de 15 mil propriedades em todo o território americano, no Reino Unido e outros países da Europa”, completa Paula.

Atratividade

Mas o que explica as preferências dos brasileiros por estes ativos? Como explica a head de conteúdo, mais do que o retorno, o investidor passou a olhar com mais atenção para a relação entre risco e potencial retorno.

Vale lembrar que a diversificação de ativos tem um papel importante na composição de qualquer carteira. A recomendação também vale para quem investe no exterior. Isso porque a estratégia contribui para diluir os riscos existentes quando há uma concentração em um só ativo ou geografia.

Além disso, acrescenta a head da Nomad, quando se opta por investir em companhias individualmente, a tendência que vem se apresentando é a de buscar por negócios que sejam conhecidos do público, e que provavelmente os investidores acreditam que sejam sólidos e têm bom potencial de crescimento no futuro.

Como começar

Para quem ficou interessado em investir no exterior, o primeiro passo é abrir uma conta em uma corretora internacional, o que pode ser feito a partir da Nomad, baixando o app e enviando a documentação necessária.

O segundo passo é fazer o chamado “teste de suitability” e descobrir o perfil de investidor. A etapa final é a remessa, ou seja, a transferência de dinheiro para a conta investimentos dentro da Nomad. O câmbio é feito de forma automática. Basta então escolher os ativos de acordo com o perfil e investir pelo app.

Acompanhe tudo sobre:branded-contentInvestir Nomad

Mais de Invest

Temores sobre interferência no BC são exagerados e dólar deve cair, diz Gavekal Research

Extratos bancários serão padronizados a partir de julho; veja o que muda

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Qual a diferença entre Nasdaq e NYSE?

Mais na Exame