Invest

Meu cônjuge morreu e, depois, os pais dele. Como fica a herança?

Especialistas respondem dúvida de leitor sobre direito de família. Envie você também suas perguntas

O cônjuge sobrevivente não tem direito à herança deixada pelos sogros (Deagreez/Getty Images)

O cônjuge sobrevivente não tem direito à herança deixada pelos sogros (Deagreez/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 24 de abril de 2024 às 07h00.

Última atualização em 24 de abril de 2024 às 12h29.

Tudo sobreHerança
Saiba mais

Pergunta do leitor: O cônjuge de casamento em regime de comunhão universal de bens morre. Depois de algum tempo morre os pais dele e deixam bens. Como fica a herança?

Resposta de Samir Choaib e Lais Meinberg Siqueira*

Em caso de falecimento de pessoa casada sob regime da comunhão universal de bens, lembre-se que o cônjuge sobrevivente não é herdeiro, mas terá direto à metade dos bens do casal (a denominada ‘meação’, que é a divisão do patrimônio em razão da extinção do casamento, por divórcio ou morte).

A outra metade do patrimônio, portanto, será destinada aos herdeiros necessários do falecido, na seguinte ordem: em primeiro lugar os descendentes e, na falta destes, em segundo lugar, os ascendentes. Se o falecido não deixar descendentes nem ascendentes, a totalidade do patrimônio será destinada ao cônjuge sobrevivente (50% de meação e 50% de herança).

Aprenda a investir seu dinheiro para realizar sonhos! Comece agora

Considerando o falecimento posterior dos pais, se o filho pré-morto tiver deixado filhos, estes terão direito à herança dos avós, pelo direito de herança por representação. Assim, os filhos representarão o pai falecido na herança dos avós e receberão o que ele receberia se fosse vivo.

Por exemplo: o falecido tinha dois filhos e se estivesse vivo, teria direito à herança de 25% dos pais; neste caso, os 25% serão divididos entre os dois filhos do filho pré-morto. Portanto, cada neto receberia 12,5% de herança dos avós.

Trata-se de uma exceção à regra da sucessão, que normalmente ocorre por direito próprio. Veja que, para este caso, o direito de representação só existe na linha de descendentes, não se aplicando, por exemplo, se o falecido deixar apenas o cônjuge sobrevivente como herdeiro. Ou seja, o cônjuge sobrevivente não tem direito à herança deixada pelos sogros.

*Samir Choaib é advogado e economista formado pela Universidade Mackenzie, pós-graduado em direito tributário pela PUC-SP. É sócio do escritório Choaib, Paiva e Justo, Advogados Associados, responsável pela área de planejamento sucessório do escritório.

*Lais Meinberg Siqueira - Advogada formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Cursou Contabilidade Aplicada ao Direito pela GVLaw/SP e atualmente cursando pós-graduação em Direito Empresarial pela FGV. Atua no escritório nas áreas de Planejamento Sucessório e assessoria tributária às pessoas físicas.

Tem alguma dúvida sobre direito de família? Envie suas perguntas para exameinvest@exame.com.

Acompanhe tudo sobre:dicas-de-financas-pessoaisJustiçaCasamentoHerançaDireito familiar

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame