Acompanhe:

Uber (U1BE34) reduz prejuízo em 50,6% no 3T22 e registra alta no número de passageiros e viagens

O aplicativo salientou que o número de passageiros é maior do que antes da pandemia, chegando a 124 de usuários ativos mensais

 (Zhang Peng/Getty Images)

(Zhang Peng/Getty Images)

C
Carlo Cauti

Publicado em 1 de novembro de 2022, 09h08.

O Uber (U1BE34) divulgou nesta terça-feira, 1, os resultados de seu terceiro trimestre de 2022. 

A gigante do transporte público urbano registrou uma receita de US$ 8,34 bilhões no período julho-setembro deste ano, em alta de 72% em relação aos US$ 4,84 bilhões do mesmo período de 2021. O resultado foi superior ao esperado pelos analistas, que indicaram uma receita de US$ 8,12 bilhões.

O prejuízo líquido registrado foi de US$ 1,20 bilhão, em queda de 50,6 % em relação aos US$ 2,43 bilhões registrados no ano passado. Segundo a empresa, do total do prejuízo, US$ 512 milhões foram atribuídos a reavaliações dos investimentos de capital do Uber.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado, foi recorde, chegando em US$ 516 milhões, superando as previsões de US$ 470 milhões dos analistas. As reservas brutas para o trimestre chegaram a US$ 29,1 bilhões, um aumento de 26% na comparação anual.

O número de viagens realizadas pelo Uber subiu 26% na comparação anual, passando de US$ 23,11 bilhões para US$ 29,11 bilhões. A receita das viagens chegou a US$ 3,8 bilhões, continuando a superar aquela oriunda do serviço de entrega Uber Eats, que foi de US$ 2,8 bilhões, e mantendo a tendência registrada desde o começo do ano. Durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o serviço Uber Eats tinha se tornado a principal fonte de receita do Uber.

O número de consumidores ativos mensais da plataforma subiu para 124 milhões no terceiro trimestre, um aumento de 14% na comparação anual, realizando 1,95 bilhão de viagens durante o período, um aumento de 19% ano a ano.

O Uber salientou que o número de passageiros nesse momento é maior do que antes da pandemia, ajudando suas receitas e ganhos no terceiro trimestre a superar as expectativas dos analistas.

CEO do Uber (U1BE34) comemora os resultados do 3T22

O CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, salientou como a empresa se beneficiou da “reabertura das cidades, do crescimento das viagens e, mais amplamente, de uma mudança contínua dos gastos do consumidor do varejo para os serviços”.

“Nossa escala global e vantagens exclusivas da plataforma estão trabalhando juntas para gerar um crescimento mais lucrativo", escreveu em nota o CEO do Uber,“Mesmo que o ambiente macroeconômico permaneça incerto, o core business da Uber está mais forte do que nunca.”

Falando sobre o restante do ano, Khosrowshahi salientou esperar os lucros ajustados do Uber subam para uma faixa de US$ 600 milhões a US$ 630 milhões no último trimestre de 2022, novamente acima das previsões de US$ 573 milhões. Entretanto, o executivo salientou como após os últimos anos, a empresa aprendeu a não dar nada como garantido. Isso pois entre os desafios que o Uber está enfrentando está a alta dos preços da gasolina e a inflação generalizada.

As ações do Uber subiram cerca de 8% nas negociações pré-mercado em Nova York após a publicação dos resultados trimestrais. Entretanto, desde o começo do ano, os papéis caíram mais de 36%, com uma queda de mais de 10% em outubro, depois que o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos apresentou uma proposta que poderia abrir o caminho para que os motoristas sejam considerados como funcionários.