TikTok em apuros: app abandona expansão do e-commerce na Europa e nos EUA

A decisão da plataforma chinesa de mídia social ocorre após problemas registrados com o serviço no Reino Unido
 (NurPhoto/Getty Images)
(NurPhoto/Getty Images)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 05/07/2022 às 09:03.

Última atualização em 05/07/2022 às 09:04.

O TikTok abandonou os planos de introduzir o serviço de comércio eletrônico na Europa e nos EUA.

A decisão da plataforma chinesa de mídia social ocorre após problemas registrados com o serviço no Reino Unido, onde o TikTok já estava operando nas vendas on line, sem conseguir ganhar força entre os consumidores.

O chamado “TikTok Shop” foi lançado no país europeu no ano passado, sendo o primeiro mercado do app fora da Ásia.

O serviço foi lançado recentemente na Tailândia, Malásia e Vietnã e está disponível na Indonésia desde o ano passado.

No TikTok Shop, marcas e influenciadores digitais realizam transmissões ao vivo e vendem produtos por meio de uma cesta laranja clicável na tela do aplicativo.

Planos frustrados to TikTok

O TikTok planejava lançar o recurso na Alemanha, França, Itália e Espanha no primeiro semestre deste ano, antes de expandir para os EUA no final de 2022.

Entretanto, os planos de expansão foram abandonados depois que o projeto do Reino Unido não atingiu as metas e muitos influenciadores desistiram de tentar vender on line.

Muitas transmissões ao vivo do TikTok Shop obtiveram vendas fracas, apesar da empresa oferecer subsídios e incentivos em dinheiro para incentivar marcas e influenciadores a vender pelo aplicativo.

Além disso, nas últimas semanas um grande número de funcionários da equipe de comércio eletrônico do TikTok em Londres pediu demissão, se queixando de uma cultura de trabalho agressiva imposta pela liderança chinesa da empresa.

Após esse êxodo, Joshua Ma, executivo sênior da ByteDance que administrava o TikTok Shop na Europa, foi substituído.

Comércio eletrônico futuro das mídias sociais?

O comércio eletrônico através de transmissão ao vivo é considerado como o futuro da monetização para as plataformas de mídia social, que recebem uma comissão sobre as vendas.

O modelo provou ser lucrativo para a ByteDance, controladora do TikTok , que triplicou as vendas no aplicativo "gêmeo" chinês Douyin, com mais de 10 bilhões de produtos comercializados em 2021.

Instagram e YouTube também estão desenvolvendo recursos semelhantes.

Entretanto, o mercado de vendas on line através de app de transmissão ao vivo ainda é pequeno na Europa.

Além disso, um dos problemas registrados pelo TikTok é a implementação do modelo de entrega que utiliza empresas terceirizadas.

Em vez do TikTok manter estoque, os produtos são enviados de fornecedores diretamente ao cliente, evitando custos de armazenagem para o app.

Entretanto, esse modelo se demonstrou pouco eficiente, criando problemas para os influenciadores e as marcas que vendem através do TikTok Shop.