Invest

Temu: gigante chinês de comércio eletrônico pede registro no Remessa Conforme para vender no Brasil

Vista como mistura de Shopee com Shein, empresa vende de móveis, utensílios domésticos de pequeno valor até eletrônicos e roupas

Mistura de Shopee com Shein, a Temu pede registro no Remessa Conforme para entrar no mercado brasileiro (Jakub Porzycki/Getty Images)

Mistura de Shopee com Shein, a Temu pede registro no Remessa Conforme para entrar no mercado brasileiro (Jakub Porzycki/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 14 de maio de 2024 às 12h56.

Última atualização em 14 de maio de 2024 às 13h08.

A Temu, operação de venda online internacional da Pinduoduo, terceira maior plataforma de serviços digitais da China, enviou para a Receita Federal um pedido de certificação no Remessa Conforme. O programa permite que a empresa traga mercadorias abaixo de US$ 50 sem pagar imposto de importação de 60% e facilita o desembaraço das cargas.

Dessa forma, a empresa pretende entrar no mercado brasileiro.

Criada em 2022 pelo grupo Pinduoduo, a Temu é uma mistura da Shopee e Shein, por vender de tudo, desde móveis até eletrônicos, roupas e utensílios domésticos de pequeno valor. Com o mote "compre como um bilionário", o app da Temu estreou fora da China nos Estados Unidos e rapidamente ganhou popularidade, superando as vendas da Shein.

O Pinduoduo é uma das maiores plataformas de e-commerce da China — no mercado chinês, só fica atrás em vendas do Alibaba, que já opera no Brasil. A receita de sucesso combina preços extremamente baixos com uma presença vibrante em redes sociais.

E, em valor de mercado, é o terceiro maior grupo chinês, atrás apenas do Taobao (site de vendas na China do Alibaba) e do Douyin, dono do TikTok.

O novo e-commerce foi lançado fora da China primeiro nos Estados Unidos e em seguida no Reino Unido e agora já está tomando espaço em diversos países.

O movimento para a empresa entrar no mercado online brasileiro se concretiza com o pedido para entrar no Remessa Conforme. Em vigor desde agosto de 2023, o programa do Ministério da Fazenda funciona por adesão. As empresas que participam tem o Imposto de Importação para compras de até US$ 50 zerado — antes, era de 60%.

Caso tenha o pedido de adesão aceito, o programa também vai permitir que a empresa pague ICMS (imposto estadual) de 17%, sobre compras de qualquer valor. Antes do programa, havia diferentes alíquotas do imposto estadual para essas compras.

Acompanhe tudo sobre:e-commerceRemessa ConformeChina

Mais de Invest

Pré-mercado: Euro cai após resultados das eleições europeias

Mega-Sena: aposta de Ponta Grossa, no Paraná, leva prêmio acumulado de R$ 114 milhões

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2734; prêmio acumulado é de R$ 112 milhões

Caixa abre cadastro de imóveis para compra pelo governo e doação ao RS

Mais na Exame