Risco de governo Lula para perfil de crédito é inexistente, diz diretor da Fitch

Carvalho afirmou que os maiores riscos para os balanços das empresas são a inflação e o câmbio
No câmbio, a Fitch espera que a volatilidade vista atualmente se mantenha (EVARISTO SA/AFP)
No câmbio, a Fitch espera que a volatilidade vista atualmente se mantenha (EVARISTO SA/AFP)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 28/09/2022 às 14:59.

O diretor de Ratings Corporativos da Fitch, Ricardo Carvalho, disse nesta quarta-feira, 28, que o risco de um eventual novo mandato do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para o perfil de crédito de empresas do País é "inexistente". Ainda de acordo com ele, os grandes riscos para as companhias são em variáveis como câmbio e inflação.

"Se o governo (novo) for Bolsonaro, é mais do mesmo. Se for Lula o risco é saber se será o do primeiro (2003), segundo (2007) ou terceiro", disse ele, em evento promovido pela Fitch em São Paulo. "Ainda assim, o risco está longe do que vimos em 2003."

Carvalho afirmou que os maiores riscos para os balanços das empresas são a inflação e o câmbio. "Estamos vendo um período longo de inflação, com muita dificuldade no repasse de custos das companhias", disse ele.

No câmbio, a Fitch espera que a volatilidade vista atualmente se mantenha. De acordo com o diretor, dois fatores explicam e devem continuar explicando esse movimento: as expectativas para as contas públicas brasileiras nos próximos anos e também a alta dos juros mundo afora.

LEIA TAMBÉM:

Fitch revisa positivamente nota da Petrobras (PETR3), que passa para estável

Fitch eleva ratings da holding Simpar (SIMH3) e de suas controladas JSL, Movida e Vamos