Acompanhe:

Quais foram as campeãs da Bolsa em cada governo?

Ciclo de privatizações, valorização de commodities, medidas de estímulo ao consumo e programas sociais são fatores que ajudam a explicar papéis de maior rentabilidade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Embraer, Vale e Ambev são algumas das campeãs de valorização (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)

Embraer, Vale e Ambev são algumas das campeãs de valorização (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)

R
Raquel Brandão

Publicado em 1 de outubro de 2022 às, 08h45.

Última atualização em 1 de outubro de 2022 às, 13h37.

CCR e CSN, no primeiro e no segundo governos Lula. Prio e Positivo, no governo Bolsonaro. Essas são algumas das ações campeãs em rentabilidade em cada período de mandato dos presidentes brasileiros desde o segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso. Os dados foram compilados pela plataforma TradeMap e consideram o índice Bovespa, o Ibovespa, que reúne as ações com maior volume negociado na Bolsa. 

Entre as similaridades dos governos estão as muitas empresas produtoras de commodities, como Usiminas, no Lula 1, e a Vale, que figurou entre as cinco ações mais rentáveis tanto no governo de Michel Temer quanto no segundo mandato de FHC – aqui vale uma observação: a mineradora foi privatizada em 1997, penúltimo ano do primeiro mandato do tucano.   

Alguns fatores influenciam a lista das “campeãs”. Ciclo de privatizações, valorização de commodities, medidas de estímulo ao consumo e programas sociais, como os de financiamento a moradia ou ensino superior. Não se pode, no entanto, atribuir as oscilações das ações apenas ao ambiente macro e os respectivos governos.

FHC  

Para não haver tantas distorções pelo pacote de privatizações durante o governo Itamar Franco e o primeiro mandato de FHC, foi considerado apenas o segundo governo do tucano, que foi de 1999 a 2002. Mas os reflexos da redução de participação ou saída do Estado das empresas são visíveis também na rentabilidade das ações do período do segundo mandato.  

De 1999 a 2002, tanto as ações ordinárias quanto as preferenciais da fabricante de aeronaves Embraer foram as líderes de rentabilidade, com saltos expressivos de 1.705% e 1.217%, respectivamente. A empresa havia sido privatizada em 1994 e começava a dar lucro após esse processo. A Vale também foi uma empresa privatizada anos antes (em 1997) e durante o segundo mandato registrou valorização de 1.159% de seus papéis.

Governo FHC (período analisado de 31 de dezembro de 1998 a 31 de dezembro de 2002)

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
EmbraerEMBR31.705,83
EmbraerEMBR41.217,63
ValeVALE31.159,62
FibriaVCPA4921,19
Sid. TubarãoCSTB4874,50

Lula 1 e 2

No primeiro mandato de Lula, o Ibovespa registrou a maior valorização acumulada: 32,99%. Nesse período, a ação que mais se valorizou foi a do grupo de concessão de infraestrutura e mobilidade CCR, que realizou sua abertura de capital em 2002. Naquele mesmo período, o mundo acompanhou o crescimento da economia chinesa, que impulsionou a demanda por commodities. Diante desse cenário, as empresas ligadas a esse setor viram seus ativos ganharem tração. Entre as cinco maiores valorizações estão: Usiminas, Gerdau e CSN. O avanço desses ativos também ajuda a explicar o salto do índice, no qual as empresas de commodities têm grande representatividade. 

Já no segundo governo do petista, o setor de consumo ganhou mais relevância entre as ações mais valorizadas, impulsionado por programas sociais de transferência de renda, como o Bolsa Família. A fabricante de cigarros Souza Cruz (que fechou capital em 2015) e a cervejaria Ambev passaram a figurar entre as cinco maiores altas. Vale destacar ainda varejista de moda Renner, que foi a oitava maior valorização do período. O período também foi marcado por bons desempenhos de ações de commodities e infraestrutura, como as empresas de energia elétrica, como a Companhia de Transmissão Paulista, atual Isa Cteep.

Primeiro Governo Lula (período analisado 31 de dezembro de 2002 a 31 de dezembro de 2006)

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
CCRCCRO31.806,07
UsiminasUSIM51.519,58
GerdauGOAU4886,75
Sid. NacionalCSNA3756,45
Banco BrasilBBAS3740,21

Segundo Governo Lula (31 de dezembro 2006 a 31 de dezembro 2010)

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
Souza CruzCRUZ3223,76
Sid. NacionalCSNA3198,35
Tran. PaulistaTRPL4186,05
MMX MinerMMXM3181,38
AmbevAMBV4181,02

Dilma 1 e 2 

Nos governos Dilma há mais diversidade de setores entre os papéis mais rentáveis. No caso do primeiro governo, por exemplo, a empresa de pagamentos Cielo lidera a lista das cinco mais rentáveis, com 329% de alta. Ela é seguida pela empresa de ensino superior Yduqs (ex-Estácio), refletindo a intensificação dos programas socias de educação Prouni e Fies. Também lideram as altas, a BRF, de proteína animal, a Embraer e a Ambev.  

No segundo mandato, a campeã de valorização foi a varejista farmacêutica RaiaDrogasil, que havia feito a fusão de Raia e Drogasil poucos anos antes. O papel se valorizou, 140%. Também figura entre as maiores altas a B3, que à época ainda era a BM&FBovespa. Em abril de 2016, a empresa comprou a Cetip, depositária de títulos de renda fixa. A nova companhia só passou a se chamar B3 em março de 2017, mas o anúncio da aquisição de R$ 12 bilhões feito ainda em 2016, impulsionou as ações. Há ainda o banco Santander e empresas de utilidade pública, como Sabesp, de saneamento, e Equatorial, de energia elétrica.

Primeiro Governo Dilma (31 de dezembro de 2010 a 31 de dezembro de 2014)

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
CieloCIEL3329,00
Yduqs (ex-Estácio)YDUQ3176,56
BRFBRFS3145,91
EmbraerEMBR3121,26
AmbevABEV3116,90

Segundo Governo Dilma (31 de dezembro de 2014 a 31 de agosto de 2016)

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
RaiaDrogasilRADL3140,47
B3B3SA397,02
SantanderSANB1192,50
EquatorialEQTL390,26
SabespSBSP377,90

Temer

No governo Temer, de 31 de agosto de 2016 até o fim de 2018, a ação da companhia aérea Gol acumulou valorização de 296,52% e a da rede de agências de viagem CVC, 180,11%. No mandato de Temer, que começou após impeachment de Dilma Rousseff, a Selic - que é a taxa de juros básica - passou de 14,25% em agosto de 2016 para 6,50% em dezembro de 2018, favorecendo atividades como a de turismo, no qual o cliente é mais dependente de crédito. Também se valorizaram ações relacionadas às commodites, como a Vale e a Bradespar.  

O grande destaque, porém, foi a varejista Magazine Luiza, cujo papel acumulou alta de 2.327%. A queda do juro básico e da liberação do saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ajudaram a estimular o consumo de bens duráveis, como geladeiras, fogões e máquinas de lavar roupa – a rede de lojas tem alta exposição em linha branca. Além disso, a empresa também passou por mudanças no comando. O ano de 2016 foi o primeiro de Frederico Trajano, filho de Luiza Trajano, na presidência da empresa.

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
Magazine LuizaMGLU32.327,26
GolGOLL4296,52
BradesparBRAP4241,15
ValeVALE3229,09
CVCCVCB3180,11

Bolsonaro

Do início do governo Bolsonaro, em 2019 até 26 de setembro, a ação que mais se valorizou foi a Prio (ex-PetroRio), empresa de exploração de petróleo. No primeiro ano do governo, a empresa adquiriu o Campo de Frade, na Bacia de Campos, e, desde então, viu a produção se aproximar do dobro até então registrado. Na Bolsa, a ação da comapanhia acumulou alta de 1272% desde o início de 2019.  

Já a segunda ação que mais se valorizou nesse período foi a Positivo, que saltou 514%. A fabricante de computadores ampliou sua operação, especialmente no braço de serviços, com locação de equipamentos e nuvem. A companhia também viu suas ações oscilarem após ganhar o edital para fabricação de novas urnas, que foram usadas pelas primeira vez nas elições municipais de 2020.  

A mais recente escalada dos juros básicos, que passaram de 2% em agosto de 2020 para 13,75%, também pode ter alterado o ranking das ações mais valorizadas. Entre as cinco primeiras estão dois bancos: o BTG (grupo de controle da EXAME)  e o Banco Pan. 

EmpresaAçãoValorização acumulada (%)
PRIO (ex-PetroRio)PRIO31.271,98
PositivoPOSI3513,85
BTGBPAC11343,41
Banco PanBPAN4277,60
EnevaENEV3268,18
Leia tudo sobre economia nas eleições

Últimas Notícias

Ver mais
Amor em baixa? Por que os aplicativos de namoro, como Tinder e Bumble, desabam 80% na bolsa
seloMercados

Amor em baixa? Por que os aplicativos de namoro, como Tinder e Bumble, desabam 80% na bolsa

Há um dia

5 fatos para entender o que está acontecendo com a Vale (VALE3)
seloMercados

5 fatos para entender o que está acontecendo com a Vale (VALE3)

Há 2 dias

Ouro fecha em alta em cenário de cautela, mas cai em semana com surpresas de inflação
seloMercados

Ouro fecha em alta em cenário de cautela, mas cai em semana com surpresas de inflação

Há 2 dias

Bolsas da Europa fecham em alta; NatWest e mineradoras animam Londres
seloMercados

Bolsas da Europa fecham em alta; NatWest e mineradoras animam Londres

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais