Invest

Petrobras (PETR4) em queda: a pergunta que não se cala no mercado após a troca de CEO

Ações da companhia desabam até 8% no pregão desta terça, provocando perda de R$ 65 bilhões em valor de mercado

 (Wilson Melo/Agência Petrobras)

(Wilson Melo/Agência Petrobras)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 15 de maio de 2024 às 11h35.

Última atualização em 15 de maio de 2024 às 17h27.

Tudo sobrePetrobras
Saiba mais

A notícia sobre a troca de comando na Petrobras (PETR3/PETR4), embora especulada há meses, pegou muitos investidores de surpresa. O anúncio veio na última noite, com o comunicado da Petrobras informando a saída de Jean Paul Prates e a indicação de Magda Chambriard pelo Ministério de Minas e Energia. A reação foi imediata. Ainda com o mercado fechado, as ADRs da companhia chegaram a cair 8% nos Estados Unidos, com a queda se estendendo para o pregão desta terça-feira, 15, na B3. A perda em valor de mercado foi de R$ 35,5 bilhões.

Os nomes de Rui Costa, ministro da Casa Civil, e de Aloízio Mercadante, presidente do BNDES, chegaram a ser sondados pelo governo, de acordo com reportagem da EXAME, mas prevaleceu o perfil técnico de Magda Chambriard. Mestre em engenharia química, Chambriard trabalhou por 22 anos da Petrobras e foi diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP) entre 2012 e 2016.

Ao contrário de Mercadante e Costa, que seriam encarados como uma escolha estritamente política, dada a aliança de longa data com o governo, Chambriard é vista pelo mercado como alguém tecnicamente capacitada a exercer o cargo. Mas mais importante do que o nome escolhido, para os investidores, é a razão pela troca, uma vez que que a gestão de Prates era relativamente bem avaliada. 

Por que Lula trocou o comando da Petrobras

Analistas do Goldman Sachs classificaram a saída de Prates como negativa. "O mercado via Prates como um bom conciliador entre os interesses dos investidores e do governo. Além disso, a troca poderá reacender preocupações sobre uma potencial intervenção política nas operações da empresa."

Para o Safra, a reação negativa do mercado se deve mais ao aumento da percepção de risco de interferência na estatal do que a uma opinião negativa sobre Chambriard.

Analistas do BTG, inclusive, chegaram a afirmar que "é positiva a  avaliação inicial" sobre a executiva, embora também vejam um aumento de riscos de interferência. Em relatório, a XP chegou a afirmar que esse aumento de risco é "substancial" dado o contexto da troca. "Os investidores estão particularmente preocupados com conflitos de interesse em temas como distribuição de dividendos, política de preços, planos de investimento e passivos fiscais."

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasEstatais brasileiras

Mais de Invest

Ninguém acerta as seis dezenas do concuso 2729 da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 75 milhões

Investidores da Tesla são aconselhados a votar contra bonificação de US$ 56 bi para Musk

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Mais na Exame