Invest

Ibovespa fecha em queda puxado por Petrobras, apesar de alívio com inflação americana

Troca de presidente aumenta preocupação de investidores sobre risco de interferência na estatal; Magda Chambriard assumirá lugar de Jean Paul Prates; perda em valor de mercado foi de R$ 35,5 bilhões

Bolsa de valores: Petrobras derruba Ibovespa (Germano Luders/Exame)

Bolsa de valores: Petrobras derruba Ibovespa (Germano Luders/Exame)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 15 de maio de 2024 às 10h28.

Última atualização em 15 de maio de 2024 às 17h29.

Tudo sobrePetrobras
Saiba mais

O Ibovespa fechou em queda de 0,38% nesta quarta-feira, 15, a 128.028 pontos, fortemente pressionado pelas ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que fecharam na lanterna do Ibovespa, com pouco mais de 6% de queda. A derrocada das ações da estatal ocorre após Jean Paul Prates ter sido destronado da presidência da companhia. Magda Chambriard, ex-diretora geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), irá substituí-lo. A perda em valor de mercado foi de R$ 35,5 bilhões.

Ibovespa hoje

  • Ibovespa: - 0,38%, 128.028 pontos

A troca de presidente pegou o mercado de surpresa, embora os rumores de uma possível troca de comando na Petrobras circulassem já há alguns meses. O nome de Chambriard, inclusive, vinha sendo sondado, pelo menos, desde março, como apontou reportagem da Exame na época. Os nomes Rui Costa, ministro da Casa Civil, e Aloízio Mercadante, presidente do BNDES, chegaram a ser debatidos, ainda segundo a Exame, mas prevaleceu o lado técnico de Magda Chambriard.

Independente da escolha, no mercado, o que mais preocupa são as possíveis motivações para a troca. "Esperamos uma reação negativa do mercado principalmente por causa da maior percepção de risco de possível interferência política nas decisões da empresa, em vez de uma opinião negativa sobre Chambriard", afirma relatório do Safra sobre a troca de presidentes na Petrobras. 

A queda da Petrobras, dada a magnitude e o peso da companhia no Ibovespa, ofusca o otimismo no exterior com os dados abaixo do esperado para a inflação de abril. Divulgado nesta manhã, o Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) ficou em 0,3% ante consenso de 0,4%. No acumulado de 12 meses, o CPI desacelerou de 3,4% para 3,3%. Bolsas de Nova York fecharam em firme alta, com o S&P 500 subindo 1,17% e o Nasdaq, 1,40%.

JBS dispara após balanço

Apesar da queda do Ibovespa, a JBS (JBSS3) teve um dia de forte valorização na bolsa, com suas ações fechando o dia em alta de 8,11%. A forte valorização ocorreu em reação positiva ao balanço do primeiro trimestre, divulgado na última noite. " O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 6,4 bilhões, 197% mais alto e 26% acima do consenso de mercado da Bloomberg. Além do forte Ebitda para o período, analistas do Bank of America destacaram o forte avanço de margem nas operações da Seara, com salto de 10,1 pontos percentuais para 11,6%.

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresPetrobrasIbovespa

Mais de Invest

Jeff Bezos: confira o perfil do fundador da Amazon

Caixa Econômica Federal tem lucro recorrente de R$ 2,9 bi no 1º trimestre

Bolsa Família 2024: pagamento de maio começa na sexta-feira; veja calendário e quem recebe

JBS (JBSS3): melhora de margem impressiona e ação lidera alta do Ibovespa

Mais na Exame