Acompanhe:

Não se engane, a inflação ainda é o maior risco do mercado, alerta Gavekal

Economista Anatole Kaletsky vê possibilidade de "boom inflacionário"; "talvez os investidores simplesmente se recusem a acreditar nos recentes dados econômicos"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Gavekal: O mercado iniciou o ano como se o mundo já tivesse ganho a guerra contra a inflação (Spencer Platt/Getty Images)

Gavekal: O mercado iniciou o ano como se o mundo já tivesse ganho a guerra contra a inflação (Spencer Platt/Getty Images)

O mercado iniciou o ano como se o mundo já tivesse ganho a guerra contra a inflação. De tanto otimismo, ainda nos primeiros dias de 2024, investidores chegaram a precificar mais de 70% de chance de o primeiro corte de juro dos Estados Unidos vir ainda em março. Mas as projeções estão sendo rapidamente revisadas diante de índices de preços acima do esperado e falas mais conservadoras por parte de dirigentes do Federal Reserve, o banco central americano. Entre seus membros, o posicionamento é uníssono: os cortes virão, mas não agora. Entre investidores, há discordância sobre quando será o início do ciclo de cortes. Mas há uma dúvida principal: o quanto a economia americana ainda irá sofrer com as taxas de juros na máxima histórica. A recessão, esperada no ano passado, não veio. O consenso, porém, é de que o crescimento será menor. Mas o economista Anatole Kaletsky, co-fundador da Gavekal Research, acredita que a desaceleração econômica representa um risco muito menor que o de um repique da inflação americana.

"Se alguma coisa acontecer no próximo ano que perturbe as perfeitas condições agora precificadas pelos mercados, o problema assumirá a forma de um boom inflacionário, e não de uma crise deflacionária", afirma Kaletsky em relatório da Gavekal.

IPCA acima do esperado

O economista ressalta ainda que os recentes dados econômicos têm apontado para um risco inflacionário maior que o esperado pelos investidores, a exemplo do Índice de Preço ao Consumidor (IPC) dos Estados Unidos divulgado na semana passada. O IPC anual ficou em 3,1% ante expectativa de queda de 3,4% para 2,9%. "A inflação estrutural medida pelo IPC tem-se mantido estável na região de mais de 3% nos últimos seis meses, sem qualquer evidência de tendência descendente para 2%", diz Kaletsky. "A média ajustada do IPC 'fixo' permanece no intervalo de 4% a 6%."

Os mercados reagiram mal, na semana passada, ao IPC acima do esperado. Mas o pessimismo durou pouco, com os principais índices de ações voltando a subir nos dias seguintes.

"O mercado se recusa a acreditar"

"Talvez os investidores simplesmente se recusem a acreditar nos recentes dados econômicos. A maior parte das carteiras estão hoje posicionadas para uma “desinflação imaculada indolor'", afirma o economista. Kaletsky ainda pontua que, como hedge, os fundos estão posicionados em ativos que protegem contra a recessão, e não em posições defensivas contra a inflação.

"Com essa estrutura de portfólio, contemplar a possibilidade de um boom inflacionário  pode ser simplesmente doloroso demais. Como disse Upton Sinclair 'é difícil fazer um homem entender algo quando seu salário depende de não entender'. Assim, muitos investidores preferem procurar razões para não acreditar nos dados, em vez de reconhecer que as suas carteiras estão mal estruturadas."

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Sanções à Rússia: EUA proíbem importação de metais
Mundo

Sanções à Rússia: EUA proíbem importação de metais

Há 13 horas

EUA e países europeus emitem alerta contra viagens a Israel em meio a risco de ataque do Irã
Mundo

EUA e países europeus emitem alerta contra viagens a Israel em meio a risco de ataque do Irã

Há 14 horas

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez
Mundo

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez

Há 15 horas

Biden diz esperar ataque do Irã contra Israel no curto prazo
Mundo

Biden diz esperar ataque do Irã contra Israel no curto prazo

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais