Japão intervém no mercado cambial pela 1ª vez em 24 anos e iene dispara

Intervenção aconteceu horas após o banco central do país, o BoJ, acelerar a queda da moeda ao confirmar a manutenção de sua política monetária ultra-acomodatícia
Iene: Japão intervém no mercado cambial pela 1ª vez em 24 anos e moeda dispara (GettyImages/Reprodução)
Iene: Japão intervém no mercado cambial pela 1ª vez em 24 anos e moeda dispara (GettyImages/Reprodução)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 22/09/2022 às 08:02.

Última atualização em 22/09/2022 às 08:03.

O Japão interveio no mercado cambial nesta quinta-feira, 22, comprando ienes pela primeira vez em 24 anos, horas após o banco central do país, conhecido como BoJ, acelerar a queda da moeda ao confirmar a manutenção de sua política monetária ultra-acomodatícia.

A rara intervenção foi o último exemplo das preocupações globais disparadas pela força do dólar, que tem se valorizado na esteira dos aumentos de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

Terceira maior economia do mundo, o Japão tem sido um dos países mais afetados pelo avanço do dólar, ao ser obrigado a pagar mais por importações de produtos essenciais, como petróleo, gás natural e alimentos. Essas importações são, de modo geral, denominadas em dólares e agora estão custando mais em ienes.

O dólar subiu a quase 146 ienes durante a madrugada, após o presidente do BoJ, Haruhiko Kuroda, sinalizar que as taxas de juros japonesas deverão permanecer perto de zero nos próximos anos.

Menos de uma hora depois de Kuroda encerrar coletiva sobre a decisão do BoJ, o governo japonês interveio no mercado cambial com venda de dólares e compra de ienes, na primeira operação do tipo desde 1998.

Em reação, o dólar chegou a cair a 140,68 ienes, na mínima do dia, ante 144,02 ienes no fim da tarde de ontem. Às 7h35 (de Brasília), a moeda americana havia se recuperado parcialmente, sendo negociada a 142,68 ienes.

Após a intervenção, o Ministério de Finanças japonês comentou que o governo e o BoJ compartilham a visão de que a "queda unilateral do iene" não é desejável para a economia japonesa. O ministério afirmou também que decidiu agir devido à alta volatilidade do iene, e não pelo atual nível da moeda.

LEIA TAMBÉM: Reação à manutenção da Selic, decisão do BoE, Eletromídia, Movida e o que mais move o mercado