Acompanhe:

O Ibovespa começou a semana em compasso de espera e passou a segunda-feira, 27, operando entre perdas e ganhos no aguardo de uma resolução sobre a continuidade ou não da desoneração dos combustíveis. No final do pregão, mesmo com a confirmação da volta dos impostos, o Ibovespa fechou o dia no zero a zero.

Como a cobrança dos impostos afeta o mercado

No início do ano, o governo Lula manteve, via Medida Provisória, a isenção do PIS/Cofins para gasolina e álcool que já vinha sendo adotada na gestão Bolsonaro. O prazo para a MP acaba amanhã, o que obrigou o governo a decidir se manteria, ou não, a desoneração do imposto.

De um lado, a desoneração diminui a arrecadação da União e pode afetar as contas públicas. Por outro, a volta da cobrança encarece os combustíveis e pode pressionar a inflação e os juros.

O saldo final foi uma escolha pela volta da cobrança do imposto – decisão bem recebida pelos agentes de mercado. O impacto da reoneração é de R$ 28,8 bilhões em receitas.

“É um dinheiro que volta a entrar [nos cofres públicos]. É algo que facilita no ajuste fiscal do governo, aumenta as receitas. O investidor gringo gosta bastante e volta a trazer capital para o Brasil”, avalia Gabriel Meira, especialista da Valor Investimentos.

Ainda assim, o movimento não foi suficiente para levantar a bolsa. “Haddad recebeu muito fogo cruzado principalmente da ala ideológica do PT. Encontrar resistência dentro da própria base do partido é ruim, e deixa o mercado desconfortável”, diz Meira.

Outro ponto que segurou os ganhos foi o futuro efeito da cobrança sobre a inflação, que também preocupa os investidores.

Petrobras, São Martinho e Raízen são destaques

Apesar da fraqueza da bolsa, algumas ações saíram beneficiadas. Foi o caso dos papéis da Petrobras, que ganharam força após a decisão, e fecharam o dia em alta de mais de 1%. 

  • Petrobras (PETR3): + 1,66%
  • Petrobras (PETR4): + 1,00%

Destaque também para as ações da São Martinho (SMTO3), focada no setor sucroenergético, e para a Raízen (RAIZ4), de combustíveis renováveis, que subiram mais de 5% e lideraram as altas do dia. 

Os detalhes da reoneração ainda não foram divulgados, mas já se sabe que o combustível fóssil será mais onerado. Com maiores impostos sobre a gasolina, o etanol ganha competitividade, impulsionando os papéis.

  • Raízen (RAIZ4): + 5,19%
  • São Martinho (SMTO3): + 5,12%

Wall Street se recupera

As questões locais impediram ainda que o Ibovespa acompanhasse o tom de retomada no mercado internacional. As bolsas americanas encerraram o dia em alta depois de registrar seu pior resultado semanal do ano na semana passada. A preocupação é com o avanço da inflação, que pode fazer com que os juros americanos fiquem altos por mais tempo que o esperado.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

Maiores altas

  • Raízen (RAIZ4): + 5,19%
  • São Martinho (SMTO3): + 5,12%
  • Alpargatas (ALPA4): + 2,86%

Maiores baixas

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro
seloMercados

Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro

Há 14 horas

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal
seloMercados

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal

Há 16 horas

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança
seloMercados

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança

Há 17 horas

Na expectativa dos resultados do 4T23, BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos
seloMercados

BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais