‘Foi mal’: CEO da Lyft assume culpa por erro de digitação de US$ 1,8 bilhão; ações dispararam 60%

"Foi um erro grave e é culpa minha", disse David Risher, CEO da Lyft, em entrevista após zero adicional confundir os investidores

David Risher, CEO da Lyft, assumiu a responsabilidade pelo erro de digitação (ChristinaBarcelona/Wikimedia Commons)

David Risher, CEO da Lyft, assumiu a responsabilidade pelo erro de digitação (ChristinaBarcelona/Wikimedia Commons)

Janize Colaço
Janize Colaço

Repórter de Invest

Publicado em 15 de fevereiro de 2024 às 12h47.

Última atualização em 15 de fevereiro de 2024 às 12h50.

David Risher, CEO da Lyft, assumiu a responsabilidade pelo erro de digitação que adicionou um zero a mais na margem de lucro da companhia para 2024. O que deveria ser 50 pontos-base (p.b.) virou 500 — levando à uma disparada de 60% nas ações no after market e um ganho em valor de mercado de US$ 1,8 bilhão.

Colocando esses números na ponta da caneta, isso significaria uma expansão de margem de 5% para a principal concorrente da Uber nos Estados Unidos, o que representa um montante de US$ 700 milhões. Contudo, sem esse zero adicional os valores são mais modestos: expansão de 0,5% e um ganho de US$ 70 milhões.

Foi mal”, disse o CEO da Lyft em entrevista ao programa Squawk Box, da CNBC. “Foi um erro grave e é culpa minha. Foi uma coisa terrível, um zero extra que apareceu em um comunicado à imprensa. Mas graças a Deus detectamos rapidamente e emitimos uma correção imediata.

Além disso, o executivo lamentou que o episódio tenha ofuscado os resultados da Lyft de 2023. Junto ao guidance com um zero a mais, a companhia reportou uma receita de US$ 1,22 bilhão no último trimestre, alta de 4% em relação aos US$ 1,175 bilhão de um ano antes. A empresa ainda registrou um lucro ajustado de US$ 0,18 por ação, acima dos US$ 0,08 esperados pela Refinitiv.

Ações da Lyft disparam mais de 60%

O erro de digitação no guidance da Lyft gerou uma euforia aos investidores na última terça-feira, 13, e levou a uma disparada superior a 60% no after market da Nasdaq. O preço das ações, que havia fechado em US$ 12,13 antes da divulgação, chegou a subir para US$ 16,77 na negociação pós-mercado.

Assim como o zero a mais pode não parecer muita coisa ao olhar sem muita atenção, o mesmo ocorre com essa disparada nos papéis. Isso porque a discreta diferença de US$ 4,64 por ação fez com que a empresa aumentasse a sua capitalização em cerca de US$ 1,8 bilhão. E ainda que o ânimo dos investidores tenha sido contido, e parte dos ganhos devolvidos no pregão de ontem, nesta quinta-feira os papéis sustentam uma alta de quase 10%, cotados próximos a US$ 18,20.

Confira as últimas notícias de Invest:

Mais de Invest

Pé-de-meia: pagamento de R$ 200 por frequência começa dia 25

Receita Federal libera consulta ao lote residual do IR; veja se você recebe

Dólar volta a subir com tensões fiscais e expectativas nos mercados internacionais

Ibovespa opera em alta de olho em Campos Neto, “pauta-bomba” e desdobramentos de Petrobras (PETR4)

Mais na Exame