Acompanhe:

Elon Musk diz que Fed deve cortar juros ‘imediatamente’ para evitar uma dura recessão

Para o homem mais rico do mundo, o Banco Central dos EUA interpretou mal a inflação e agora está atuando agressivamente

Elon Musk, CEO da Tesla (TLSA34) (CARINA JOHANSEN/Getty Images)

Elon Musk, CEO da Tesla (TLSA34) (CARINA JOHANSEN/Getty Images)

C
Carlo Cauti

30 de novembro de 2022, 10h35

O CEO da Tesla (TSLA34) e da SpaceX, Elon Musk, declarou nesta quarta-feira, 30, que uma recessão está chegando e as altas das taxas de juros por parte do Federal Reserve (Fed) poderiam piorar esse cenário.

Em um tweet, Musk pediu que o Fed "reduza as taxas de juros imediatamente”, pois está arriscando “ampliar a probabilidade de uma recessão severa”.

As mensagens foram escritas em uma troca pública de mensagens com o co-fundador da Tesmanian, Vincent Yu.

Durante a conversa, o fundador da NorthmanTrader, Sven Henrich, escreveu que o Fed manteve uma política monetária expansionista "por muito tempo, interpretando mal a inflação e agora eles estão atuando agressivamente na construção da dívida mais alta de todos os tempos, sem levar em conta os efeitos defasados ​​desses aumentos de juros, com o risco que percebam novamente tarde demais o dano causado". Musk respondeu: “Exatamente”.

Esta não é a primeira vez que o CEO da Tesla alerta sobre uma catástrofe econômica iminente. Em 24 de outubro, o homem mais rico do mundo estimou que uma recessão global poderia durar “até a primavera de 2024”, embora salientando que estava “apenas supondo”. Essa especulação de Musk ocorreu em meio a uma série de alertas de outros executivos de grandes empresas americanas, como o CEO da Amazon, Jeff Bezos, o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon , e o CEO do Goldman Sachs, David Solomon.

Alta dos juros da Fed poderia parar em breve

O Fed decidiu elevar os juros desde março deste ano, passando de 0% - 0,25% para 3,75% - 4%. Todavia, o banco central dos Estados Unidos parece ter entrado na fase final de uma campanha de aumento de juros destinada a combater a inflação, que ainda está perto de seu nível mais alto dos últimos 40 anos.

Nos últimos dias, as autoridades do Fed disseram esperar aumentos menores do que os últimos quatro aumentos consecutivos de 0,75 ponto percentual, o mais recente dos quais ocorreu no início de novembro. O presidente do Fed, Jerome Powell, vai realizar um discurso público nesta quarta feira na Brookings Institution.