Acompanhe:

Dólar hoje: fechou em alta com revisão do Índice de Preço sobre Consumo Pessoal (PCE) nos EUA e mais

A moeda americana fechou em alta com expectativas de um possível corte nas taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed) e com mercado reagindo a taxa de desemprego no Brasil

Modo escuro

Continua após a publicidade
DÓLAR: Paulo Guedes repetiu que o novo normal é um câmbio mais desvalorizado / Thomas Trutschel/Getty Images

DÓLAR: Paulo Guedes repetiu que o novo normal é um câmbio mais desvalorizado / Thomas Trutschel/Getty Images

O dólar hoje, 30, fechou em alta de 0,56% a R$4,914, com a recente revisão para baixo do Índice de Preço sobre Consumo Pessoal (PCE) nos Estados Unidos, aumentando as expectativas de um possível corte nas taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed) em março. Os dados previstos para outubro apontam para um modesto aumento de 0,1%, contribuindo para uma redução da taxa acumulada de 2,4% para 3% nos últimos 12 meses.

Além disso, a taxa de desemprego no Brasil, divulgada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, ficou em 7,6% no trimestre encerrado em outubro de 2023, o resultado representa uma redução de 0,3 ponto percentual em relação aos três meses anteriores, era esperada para permanecer estável em 7,7%, representando o nível mais baixo desde 2016.

Quanto está o dólar hoje?

O dólar comercial hoje fechou em alta, a R$ 4,914. Nas casas de câmbio, o dólar turismo está sendo cotado a R$5,030. Na última terça-feira, a moeda americana fechou em alta de 0,32% a R$4,887.

Cotação do dólar

Dólar comercial

  • Venda: R$ 4,915
  • Compra: R$ 4,914

Dólar turismo

  • Venda: R$ 5,114
  • Compra: R$5,030

          O que move o mercado?

          • Inflação na Europa: O Índice de Preço ao Consumidor (CPI) na Zona do Euro surpreende positivamente, caindo de 2,9% para 2,4%, contra expectativa de 2,7%. O núcleo do CPI também arrefece mais do que o previsto, caindo de 4,2% para 3,6%, superando a estimativa de 3,9%.
          • PCE nos EUA: O Índice de Preço sobre Consumo Pessoal (PCE) dos EUA para outubro é aguardado com expectativa após a revisão para baixo do terceiro trimestre, aumentando a especulação sobre um corte nas taxas de juros pelo Fed. As projeções indicam uma alta de 0,1%, liquidação de 2,4% para 3% no acumulado de 12 meses. O núcleo também é esperado com uma alta de 0,2%, encurtando de 3,7% para 3,5% na comparação anual.
          • Taxa de desemprego no Brasil: A taxa de desemprego no Brasil, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, atingiu 7,6% no trimestre findo em outubro de 2023. Este resultado marca uma queda de 0,3 ponto percentual em comparação com os três meses precedentes, as expectativas apontavam para uma estabilidade em 7,7%. Essa taxa representa o nível mais baixo desde 2016.

          Qual a diferença do dólar comercial para o dólar turismo?

          dólar comercial trata-se de milhares de dólares em transação no mercado de câmbio. Isso computa exportações, importações, transferências financeiras milionárias e que normalmente são feitas por grandes empresas e bancos.

          Já o dólar turismo é comprado por pessoas físicas, normalmente em casas de câmbio, em menores quantidades para viagens ou até passado no cartão de crédito.

          Por que o dólar turismo é mais caro?

          cotação do dólar turismo é mais cara, pois são compras muito menores do câmbio, ao contrário das transações feitas por grandes empresas e instituições. Logo, seu custo operacional com transporte de notas e taxa de corretoras ficam mais alto.

          Por que o dólar cai?

          Basicamente, o preço em relação ao real é calculado em função da disponibilidade de dólares no mercado brasileiro. Ou, seja, quando há uma grande quantidade de moeda norte-americana no país, a tendência é que o preço dela caia em relação ao real, já a baixa disponibilidade da moeda, por outro lado, faz com que o câmbio norte-americano se valorize em relação a nossa moeda.

          Banco Central também tem o poder intervir na cotação. Quando a moeda americana dispara, é comum que o órgão use parte de sua reserva para injetar dólares na economia. Com mais disponibilidade, a cotação da moeda americana tende a cair.

          Quais os impactos da queda do dólar?

          A queda do dólar frente ao real traz impactos significativos para a economia brasileira. Entre os principais efeitos estão:

          • Exportações: Com um real mais valorizado, as exportações brasileiras tornam-se mais competitivas, impulsionando o setor e favorecendo a balança comercial.
          • Inflação: Uma cotação do dólar mais baixa pode ajudar a conter a inflação, uma vez que reduz o custo de importação de produtos.
          • Investimentos estrangeiros: Um real mais forte pode atrair investimentos estrangeiros para o país, impulsionando a economia e estimulando o crescimento de diversos setores.

          Leia também:

          Créditos

          Últimas Notícias

          Ver mais
          Dólar hoje: fechou em queda após inflação dos EUA
          seloMercados

          Dólar hoje: fechou em queda após inflação dos EUA

          Há um dia

          Dólar hoje: fechou em alta em dia de Índice de Preços de Gastos com Consumo (PCE) dos EUA
          seloMercados

          Dólar hoje: fechou em alta em dia de Índice de Preços de Gastos com Consumo (PCE) dos EUA

          Há 2 dias

          Fed diz que moedas digitais de outros países podem causar "erosão" do dólar
          Future of Money

          Fed diz que moedas digitais de outros países podem causar "erosão" do dólar

          Há 3 dias

          Dólar hoje: fechou em alta nesta quarta-feira, 28
          seloMercados

          Dólar hoje: fechou em alta nesta quarta-feira, 28

          Há 3 dias

          Continua após a publicidade
          icon

          Branded contents

          Ver mais

          Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

          Exame.com

          Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

          Leia mais