Invest

Dólar bate R$ 5,14 em meio ao pessimismo do cenário externo

Indicadores inflacionários americanos, política monetária dos Estados Unidos e conflito no Oriente Médio impactam no dólar

Dólar (Adrienne Bresnahan/Getty Images)

Dólar (Adrienne Bresnahan/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 12 de abril de 2024 às 11h27.

Última atualização em 12 de abril de 2024 às 17h39.

Tudo sobreDólar
Saiba mais

O dólar hoje, 12, fechou em alta de 0,61% a R$ 5,121. A alta foi influenciada por diversos fatores, incluindo a queda nas exportações e importações na China, a possibilidade de apenas um corte de juros nos Estados Unidos este ano e preocupações internas com o cenário fiscal e a Petrobras.

No cenário cambial, o destaque foi para o vencimento de NTN-A, previsto para segunda-feira, superior a US$ 3,5 bilhões. Apesar disso, o Banco Central vendeu apenas US$ 1 bilhão em swaps cambiais extras neste mês, para atender à demanda relacionada à liquidação desses contratos.

"Depois de uma semana marcada por indicadores inflacionários importantes, como a inflação americana que ficou acima do esperado, o que levou a um forte movimento de aversão ao risco global. Isso desencadeou uma grande pressão sobre a moeda americana, fazendo-a disparar. Além disso, a tensão no Oriente Médio também impacta o preço do petróleo", afirma Marcio Riauba, gerente da Mesa de Operações da Stonix Banco de Câmbio

Na última quinta-feira, 11, a moeda americana fechou estável a R$ 5,090.

Quanto está o dólar hoje?

O dólar comercial hoje opera a R$ 5,134. Nas casas de câmbio, o dólar turismo opera a R$ 5,338.

Cotação do dólar

Dólar comercial

  • Venda: R$ 5,121
  • Compra: R$ 5,121

Dólar turismo

  • Venda: R$ 5,338
  • Compra: R$ 5,158

Qual é a diferença entre dólar comercial e dólar turismo?

dólar comercial trata-se de milhares de dólares em transação no mercado de câmbio. Isso computa exportações, importações, transferências financeiras milionárias e que normalmente são feitas por grandes empresas e bancos.

Já o dólar turismo é comprado por pessoas físicas, normalmente em casas de câmbio, em menores quantidades para viagens ou até passado no cartão de crédito.

Por que o dólar turismo é mais caro?

cotação do dólar turismo é mais cara, pois são compras muito menores do câmbio, ao contrário das transações feitas por grandes empresas e instituições. Logo, seu custo operacional com transporte de notas e taxa de corretoras ficam mais alto.

Por que o dólar cai?

Basicamente, o preço em relação ao real é calculado em função da disponibilidade de dólares no mercado brasileiro. Ou, seja, quando há uma grande quantidade de moeda norte-americana no país, a tendência é que o preço dela caia em relação ao real, já a baixa disponibilidade da moeda, por outro lado, faz com que o câmbio norte-americano se valorize em relação a nossa moeda.

Banco Central também tem o poder intervir na cotação. Quando a moeda americana dispara, é comum que o órgão use parte de sua reserva para injetar dólares na economia. Com mais disponibilidade, a cotação da moeda americana tende a cair.

Quais os impactos da queda do dólar?

A queda do dólar frente ao real traz impactos significativos para a economia brasileira. Entre os principais efeitos estão:

  • Exportações: Com um real mais valorizado, as exportações brasileiras tornam-se mais competitivas, impulsionando o setor e favorecendo a balança comercial.
  • Inflação: Uma cotação do dólar mais baixa pode ajudar a conter a inflação, uma vez que reduz o custo de importação de produtos.
  • Investimentos estrangeiros: Um real mais forte pode atrair investimentos estrangeiros para o país, impulsionando a economia e estimulando o crescimento de diversos setores.
Acompanhe tudo sobre:Dólar

Mais de Invest

Como fazer um testamento? Onde fazer? Quais os documentos necessários?

Para além da Nvidia: como o ChatGPT está mudando a dinâmica do mercado de ações, segundo a Gavekal

Prazo final do Imposto de Renda: MEI deve enviar duas declarações esta semana

Veja o funcionamento dos bancos no feriado de Corpus Christi e na sexta-feira

Mais na Exame