Invest

AQR Capital aposta que ações de emergentes superarão as dos EUA

A aposta que é as ações de mercados emergentes terão desempenho melhor do que as americanas

Bolsas americanas: o sexto ano consecutivo em que os investidores que previam o fim do domínio das ações dos EUA ficaram decepcionados (Leandro Fonseca/Exame)

Bolsas americanas: o sexto ano consecutivo em que os investidores que previam o fim do domínio das ações dos EUA ficaram decepcionados (Leandro Fonseca/Exame)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 16 de janeiro de 2024 às 06h43.

A AQR Capital, gestora quantitativa fundada pelo bilionário Cliff Asness, continua a aposta que as ações de mercados emergentes terão desempenho melhor do que as americanas, embora essa aposta tenha falhado nos últimos anos.

A AQR teve um ganho de 17% em seu principal fundo de ações de emergentes no ano passado, superior ao índice de referência para o segmento, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. Mas esse desempenho ficou aquém do que um investidor teria obtido simplesmente colocando seu dinheiro no S&P 500, que subiu 24%. Foi o sexto ano consecutivo em que os investidores que previam o fim do domínio das ações dos EUA ficaram decepcionados.

Mas é quase certo que os mercados emergentes terão um desempenho superior ao dos EUA no longo prazo, de acordo com Dan Villalon, chefe do grupo de soluções de portfólio da AQR, que fez uma previsão semelhante em junho do ano passado. A AQR tem cerca de US$ 8 bilhões de seus US$ 99 bilhões sob gestão em uma carteira de ações de mercados emergentes.

“Os mercados emergentes têm o maior retorno esperado nos próximos cinco a 10 anos”, disse o gestor em entrevista.

A previsão do fim do domínio das ações dos EUA coloca o fundo quantitativo com sede em Greenwich, Connecticut, em linha com alguns outros grandes nomes como Morgan Stanley Investment Management, que tem cerca de US$ 1,3 trilhão sob gestão. As ações emergentes excluindo China melhoraram seu desempenho, registando os maiores ganhos anuais desde 2017.

“Muitos investidores estão subexpostos a mercados emergentes”, disse ele. “Esses são mercados que muitos investidores simplesmente deixaram para trás devido ao domínio dos EUA na última década.”

De acordo com a AQR, isso é um erro.

Para que ações dos EUA continuem a superar os pares do mundo em desenvolvimento, “os valuations das ações americanas teriam que aumentar para níveis de bolha de tecnologia”, disse ele. “Ainda achamos que há motivos para diversificar fora dos EUA.”

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:BloombergPaíses emergentesAçõesbolsas-de-valoresEstados Unidos (EUA)Investidores

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 86 milhões

Meu sogro doou 'terras da fazenda' em vida e os irmãos dele não concordaram. E agora?

Quina de São João sorteia prêmio de R$ 220 milhões neste sábado; veja como jogar e fazer bolão

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 86 milhões na poupança

Mais na Exame