Invest

Lucro por Ação (LPA): conheça um dos indicadores fundamentalistas mais utilizados pelos investidores

Representando o nível de lucratividade da companhia, o LPA é um dos indicadores mais importantes para os investidores

 (	Luis Alvarez/Getty Images)

( Luis Alvarez/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de abril de 2024 às 07h00.

Tudo sobreAções
Saiba mais

O Lucro por Ação é um dos indicadores fundamentalistas em conjunto com o Preço sobre lucro, ROE, ROIC e demais, que auxiliam o investidor a entender se uma ação irá ou não entrar em seu portfólio.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Assim, é por meio dele que os investidores entendem se a companhia é lucrativa e o quanto ela é, além de entenderem como ela se sai frente às demais empresas do mesmo setor.

O que é LPA?

O acrónimo LPA é utilizado para se designar um dos indicadores mais utilizados no mercado no momento de analisar uma ação, o Lucro por Ação.

O LPA está dentro do rol dos indicadores fundamentalistas, muitas vezes utilizados pelos investidores que tem como filosofia de investimentos o buy and hold.

Ele é muito importante, uma vez que irá demonstrar se a empresa negociada dentro da bolsa de valores é ou não uma empresa lucrativa.

Por se tratar de um indicador que leva em consideração o número de ações no mercado e o lucro da empresa, em caso de um valor negativo, o investidor já saberá que essa empresa não é lucrativa, ou mais especificamente, não foi lucrativa no exercício financeiro em análise.

Significado de LPA

Muito além de entender o que é LPA, também é importante entender o significado de LPA. Nesse sentido, como dito anteriormente, LPA significa Lucro por Ação e, em conjunto com os indicadores P/L, ROE, ROIC, entre outros, está no rol dos indicadores de análise fundamentalista.

Para que serve o Lucro por Ação? 

O Lucro por Ação é um importante indicador de saúde financeira das empresas negociadas em bolsa de valores.

Sua principal função é demonstrar, de maneira mais objetiva, se a companhia está ou não apresentando lucros e, mais do que isso, quando é esse lucro para cada ação negociada no mercado.

Soma-se a análise da lucratividade da empresa, entender se ela é uma potencial pagadora de proventos, já que empresas com lucros, em sua maioria, tendem a remunerar os seus acionistas, seja com novas ações, dividendos ou juros sobre o capital.

Uma vez que esse indicador demonstra o lucro por cada uma das ações, através dele o investidor sabe quando ele receberia para cada unidade adquirida da empresa caso ela remunerasse os seus acionistas com a totalidade do lucro obtido no exercício financeiro analisado.

Como o Lucro por Ação está intimamente relacionado ao resultado da companhia, os investidores tendem a escolher as ações que apresentam o maior número para esse indicador.

Como calcular o LPA?

O cálculo do Lucro por Ação é simples e, hoje, muitas ferramentas já disponibilizam esse valor para que os investidores apenas o analisem.

Porém, além de analisar, também é importante saber como ele é calculado, uma vez que existem particularidades em seu cálculo que só serão conhecidas na prática. Uma dessas particularidades é a forma como as ações ordinárias e preferenciais são utilizadas dentro do cálculo.

Em linhas gerais, para que o investidor conheça o LPA de uma empresa, deverá utilizar a seguinte fórmula:

LPA = Lucro Líquido ÷ Número de ações emitidas

Nesse sentido, a título de exemplo, uma empresa negociada em Bolsa de Valores que obteve no exercício financeiro de um ano o lucro de R$ 20 bilhões e tenha 20 bilhões de ações no mercado, apresentará´o seguinte LPA:

LPA = 20.000.000.000 ÷ 20.000.000.000

LPA = 1,00

Portanto, essa empresa apresentou um Lucro por Ação de R$ 1,00, o que significa que para cada ação que o investidor possui em carteira, no caso de distribuição total do lucro, seria recebido a título de dividendos o valor de R$ 1,00.

Como analisar Lucro por Ação (LPA)?

Agora que já está claro o que é LPA e como é o seu cálculo, chegamos à parte mais importante: como analisar o LPA?

O LPA permite ao investidor, principalmente, entender sobre a lucratividade da companhia em que ele investe ou deseja investir.

Para analisar o LPA é fundamental levar em consideração algumas questões. A primeira delas é o seu histórico. Mesmo não podendo ser o único indicador analisado, uma empresa com recorrência de LPA positivo tende a ser uma empresa boa e com possibilidades de pagamento de proventos.

Por isso, ao analisar, busque o máximo de histórico de LPA da empresa, já que olhar um ano de forma isolada poderá ser um grande erro, uma vez que existem momentos em que as empresa apresenta lucros não recorrentes, mesmo em situações desafiadoras.

Além disso, também é importante analisar o LPA do setor da empresa e entender qual é a média e se o valor está abaixo ou acima dela. Caso o LPA da empresa que está analisando esteja acima da média do seu segmento, a análise é de que ela é mais lucrativa e apresenta vantagens em relação às suas concorrências.

O contrário para essa análise também é verdadeira, já que um LPA menor do que a média indica uma empresa menos lucrativa e com mais desafios.

Junto com a comparação setorial, compare também com empresas específicas e concorrentes do seu segmento para entender se não seria melhor optar por outra empresa que atua no setor.

Por se tratar de um dos indicadores fundamentalistas, é importante utilizá-lo em conjunto com demais indicadores, para que seja possível realizar uma análise mais criteriosa da empresa e levar em consideração outras questões, como nível de endividamento, margem líquida, entre outros.

Qual o impacto do LPA nos investimentos?

O LPA é um indicador funamentalista crucial para a análise das ações negociadas dentro da bolsa de valores, principalmente para aqueles que desejam constituir o seu portfólio com empresas que pagam bons proventos.

Além disso, com LPA crescendo de forma recorrente, mais investidores terão o desejo de adquirir as ações, o que pode ser muito benéfico, não só para a empresa, que poderá emitir mais ações e conseguir mais capital para sua operação, quanto para os próprios acionistas.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Os acionistas, além da distribuição de proventos, ganharão com a valorização das suas ações e a empresa atingirá um maior nível de valor de mercado, já que cada vez mais investidores irão demandar a compra das ações.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valores

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2726; prêmio é de R$ 30 mi

Devedores têm último fim de semana para aderir ao Desenrola Brasil

Para acelerar atendimento a benefícios sociais, Caixa abre 17 agências no RS no sábado e domingo

Sem ‘abocanhada’ do leão: analista recomenda 4 ativos de renda fixa que pagam até IPCA + 7,1%

Mais na Exame