Inteligência Artificial

Sam Altman está em projeto que quer "reprogramar" o corpo humano

Iniciativa de CEO da OpenAI começou em 2021 a um custo de US$ 180 milhões

Altman também está envolvido com o Reddit, que recentemente abriu suas ações (Justin Sullivan/Getty Images)

Altman também está envolvido com o Reddit, que recentemente abriu suas ações (Justin Sullivan/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 26 de março de 2024 às 09h09.

Sam Altman é o rosto conhecido por trás da OpenAI, empresa que mostrou ao mundo o ChatGPT, o sistema de inteligência artificial mais famoso do mundo até o momento. O executivo, porém, não está apenas ligado a esse projeto.

Segundo o Business Insider, nos últimos três anos, Altman vem gastando discretamente uma quantidade considerável de tempo e dinheiro em um projeto ambicioso: tentar reprogramar o corpo humano.

Em 2021, ele iniciou um projeto paralelo de US$ 180 milhões. Chamado de Retro Biosciences, o objetivo da startup é "simples": acrescentar 10 anos saudáveis e agradáveis ao final de nossas vidas. A Retro Biosciences fica a 48km ao sul da sede da OpenAI em São Francisco, onde o ChatGPT foi criado.

Para atingir esse objetivo, Altman se uniu a Joe Betts-LaCroix, cientista, biofísico e formado em Harvard, MIT e Caltech - ele desenvolveu o menor computador pessoal do mundo. Betts-LaCroix tem uma organização sem fins lucrativos, a Health Extension Foundation, que promove estudos sobre a "biologia profunda" para a longevidade humana.

Uma das linhas de pesquisa é um processo que mantém nossas células saudáveis e ágeis por mais tempo - seria uma possível solução "rápida" para o envelhecimento. No momento, o mais próximo que temos de um comprimido para melhorar a eficiência celular é a rapamicina ou a metformina. 

Outro programa trabalhado pela Retro Biosciences é fazer com que as células antigas se tornem jovens novamente, "reprogramando-as" para um estado ligeiramente mais jovem usando os quatro conhecidos Fatores Yamanaka  pesquisador japonês de células-tronco Shinya Yamanaka ganhou um Prêmio Nobel em 2012 por descobrir que isso pode ser feito). Porém, experimentalmente, tem sido difícil realizar esse tipo de remodelagem de uma forma que não cause câncer ou outros problemas de saúde.

Nesse caso, Betts-LaCroix imagina começar extraindo células das orelhas ou das articulações dos joelhos das pessoas, reprogramando-as parcialmente para "tirar um pouco da idade delas" e, em seguida, inserindo-as de volta nas pessoas quando forem consideradas seguras para o tratamento.

E finalmente temos uma pesquisa feita em camundongos diluindo seu plasma sanguíneo com solução salina - parece funcionar melhor do que simplesmente dar sangue novo a camundongos velhos.

Em camundongos idosos que foram submetidos à diluição do plasma, uma grande variedade de problemas relacionados à idade melhorou.

O procedimento reduz a inflamação, melhora a saúde dos músculos e do fígado, e estimula a formação de células cerebrais. Pesquisas incipientes em pessoas, incluindo algumas em andamento na Retro, sugerem que a técnica também pode funcionar para humanos.

Acompanhe tudo sobre:Sam AltmanInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

O brasileiro vai se adaptar a conversar com robôs, diz head de atendimento do BB

Uso de IA já não é mais uma escolha, diz Marcelo Braga, CEO da IBM

Lenovo lança primeiros notebooks Copilot+ com chips Snapdragon X no Brasil

ChatGPT está fora do ar? IA generativa apresentou instabilidade nesta segunda, 17

Mais na Exame