Inteligência Artificial

Abu Dhabi está negociando investimento em iniciativa de chips da OpenAI

Altman precisa de dinheiro para banca seu plano de expansão da IA. Para conseguir, está recorrendo a países ao invés de esperar fundos de venture capital

OpenAI: startup americana quer reduzir dependência dos chips da Nvidia (Photo by KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP via Getty Images)

OpenAI: startup americana quer reduzir dependência dos chips da Nvidia (Photo by KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP via Getty Images)

Publicado em 15 de março de 2024 às 14h36.

Abu Dhabi está em negociações para investir no empreendimento de chips da OpenAI, na mais recente tentativa dos Emirados Árabes Unidos de se tornar um intermediário global no desenvolvimento de inteligência artificial. As informações são do jornal Financial Times.

O fundo MGX, financiado pelo estado, está em discussões preliminares sobre um acordo de financiamento com a OpenAI. O CEO da empresa americana, Sam Altman, está buscando lançar um negócio de semicondutores para reduzir sua dependência de chips fabricados pela Nvidia.

As estimativas são de que, caso o plano todo de certo, o custo de construir infraestrutura de IA ficariam na casa de centenas de bilhões de dólares até US$7 trilhões nos próximos anos.

Leia também: CEO da OpenAI é investigado por falta de transparência, diz jornal

Uma quantia alta assim faz com que não seja viável esperar o dinheiro de fundos de investimento de risco, levando Altman a procurar países para financiar seu plano. Segundo o FT, a OpenAI também estava em negociações com a Temasek, apoiada por Singapura, sobre um acordo de financiamento.

A MGX, um fundo focado em IA lançado nesta semana, é presidida pelo poderoso conselheiro de segurança nacional dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Tahnoon bin Zayed al-Nahyan. A nação está apostando que sua riqueza, abundantes recursos energéticos e o apoio político da liderança autocrática do estado lhe dê uma vantagem na corrida para se tornar um polo global de IA.

O ministro de IA dos Emirados Árabes Unidos, Omar Sultan Al Olama, disse ao FT que Elon Musk, CEO da Tesla — que lançou a xAI, uma empresa que está construindo modelos de IA na tentativa de rivalizar com a OpenAI — também estava interessado em parcerias com o estado do Golfo.

“Eu o vejo [Musk] fazendo algo [relacionado à IA] aqui”, disse Olama, acrescentando que conheceu o bilionário pela primeira vez em 2017 e o encontrou várias vezes desde então. “Eu não acho que seja algo fora de cogitação para ele fazer algo aqui”, disse Olama. “A economia vai ditar o que ele e outros farão aqui.”

Sheikh Tahnoon, irmão do presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Mohammed bin Zayed al-Nahyan, supervisiona um império de $1,5 trilhão que inclui dois fundos soberanos, bem como empresas privadas.

Ele preside a G42, um grupo com sede nos Emirados Árabes Unidos de empresas focadas em IA, apoiado pelo fundo soberano de investimento de Abu Dhabi, Mubadala, e possui parcerias com a OpenAI, Microsoft e Cerebras.

Ao estabelecer a MGX, em parceria com a G42 e a Mubadala, Sheikh Tahnoon disse em um comunicado que Abu Dhabi estava estabelecendo um “campeão nacional” para a IA que “avançaria ainda mais o papel dos Emirados Árabes Unidos como lar e ecossistema para os principais talentos em tecnologia, investidores e empreendedores”.

A nação foi uma das primeiras a atuar na indústria de inteligência artificial, nomeando o primeiro ministro de IA do mundo em 2017 e abrindo a primeira universidade de pós-graduação focada em IA do mundo dois anos depois. O estado tem “falado sobre IA desde antes de ser cool”, disse Altman em um evento em Abu Dhabi no ano passado.

No entanto, os planos dos Emirados Árabes Unidos também requerem navegar nas tensões comerciais entre os EUA e a China. Em particular, Washington levantou preocupações sobre a G42 e seus laços com empresas chinesas, incluindo a Huawei, que foram colocadas na lista negra pelos EUA.

Sheikh Tahnoon visitou Washington em junho, onde discutiu questões como “a importância de construir ecossistemas de tecnologia confiáveis”, de acordo com a Casa Branca. Após sua viagem, os Emirados Árabes Unidos tomaram uma decisão estratégica de priorizar o acesso a parceiros de tecnologia dos EUA, fontes disseram ao FT.

A G42 desde então cortou seus parceiros chineses e vendeu seus investimentos no país.  Olama disse que os Emirados Árabes Unidos não estão tomando uma decisão política para favorecer os EUA sobre a China em qualquer empreendimento relacionado à IA. “Os Emirados Árabes Unidos não têm uma agenda de que só vamos trabalhar com um parceiro . . . É sempre econômico.”

Acompanhe tudo sobre:OpenAIabu-dhabiChips

Mais de Inteligência Artificial

Balanço da Nvidia indica que euforia com inteligência artificial está longe de acabar

Em quanto tempo a IA vai ficar mais inteligente que humanos? Musk e CEO chinês têm palpites

OpenAI não copiou voz de Scarlett Johansson para o ChatGPT, diz jornal

Alexa será atualizada com IA e Amazon vai cobrar taxa pela tecnologia, diz site

Mais na Exame