'Robô doméstico' da Toyota fica suspenso no teto e usa IA para limpar casa

Instituto de pesquisa usufrui da experiência em fabricação de automóveis para adentrar mercado de robótica
 (Toyota Research Institute/Reprodução)
(Toyota Research Institute/Reprodução)
L
Laura PanciniPublicado em 28/08/2021 às 08:00.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa da Toyota (TRI, na sigla em inglês) na Califórnia estão desenvolvendo um robô de limpeza que fica suspenso no teto e auxilia nas tarefas de casa com ajuda de inteligência artificial (IA).

A ideia criativa de fixar o robô na parede surgiu após os pesquisadores examinarem as casas no Japão, que geralmente eram pequenas e desorganizadas. "Nós pensamos: como podemos usar o teto?" disse Max Bajracharya, vice-presidente da área de robótica do TRI.

A tecnologia está sendo testada em uma casa simulada dentro do instituto. Nos laboratórios, os robôs experimentam algumas tarefas como segurar a esponja e limpar a superfície da cozinha; pegar copos e pratos e colocar na máquina de lavar louça; limpar a televisão com cuidado e mais.

Para ensinar os robôs a realizar uma tarefa, os pesquisadores do TRI criam um ambiente de realidade virtual onde uma pessoa faz uma demonstração para o robô, manipulando seus braços.

Depois de muitas tentativas, o robô usa o aprendizado de máquina para determinar os melhores movimentos.

E como o robô não danifica nenhum objeto? Ele conta com uma pinça macia que tem sentido de toque, desenvolvida pelo TRI, e também conta com algoritmos de IA que aprendem a agarrar as coisas corretamente.

“Estamos começando a fazer algum progresso em como [fazer com que os robôs] realmente aprendam os comportamentos e, em seguida, compartilhe esse comportamento entre, digamos, uma frota de robôs”, disse Bajracharya.

Levando em consideração o envelhecimento da população japonesa nas próximas décadas, o instituto espera que os robôs possam ajudar a manter casas limpas, atender pessoas que precisam de ajuda física e até servir como companhia.

A montadora japonesa lançou o TRI em 2015 com investimento de 1 bilhão de dólares. A aposta é clara: a experiência da Toyota em fabricação de automóveis pode ser explorada na área de robótica também.

Para Gill Pratt, CEO do instituto, a tecnologia de detecção, computação e atuação usada nos carros modernos os transforma em "robôs simples". "Um carro é apenas um robô que opera fora das estradas", disse Pratt ao site de notícias Wired.

A empresa entra em uma indústria que já vale centenas de bilhões de dólares e que não tem planos de parar tão cedo. Grandes companhias, como Tesla, Google e Amazon, já estão investindo em pesquisas que combinam IA e robótica.

Porém, ainda há muito a ser feito: os robôs domésticos precisam estar prontos para se adaptar em qualquer tipo de lugar, não importa o quão complexo e imprevisível ele seja.

Além disso, apesar dos avanços, a capacidade das máquinas de pegar qualquer objeto ainda precisa de mais evolução.

A Toyota não tem um cronograma para a comercialização de seus protótipos, mas o TRI já está conduzindo pesquisas sobre a interação entre humanos e robôs.