Visa lança tecnologia que transforma celular dos consumidores em maquininha de cartão

Ingresse Tap oferece mais uma opção de pagamento para o público na compra de ingressos, com vantagens do uso do cartão físico

Novidade da Visa permite pagamento por aproximação no próprio smartphone (Visa/Divulgação/Divulgação)
Novidade da Visa permite pagamento por aproximação no próprio smartphone (Visa/Divulgação/Divulgação)
João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 31 de janeiro de 2024 às 16h49.

A Visa anunciou nesta quarta-feira, 31, o lançamento da ferramenta Ingresse Tap. A novidade busca trazer o mundo dos pagamentos por aproximação para compras feitas na internet, transformando o próprio smartphone dos consumidores no equivalente a uma "maquininha de cartão". O projeto é uma parceria com a Ingresse e com a empresa Symbiotic.

O novo recurso deverá ser lançado no aplicativo da Ingresse na próxima semana. Ele ficará disponível inicialmente apenas para usuários com sistema operacional Android - a versão para o iOS está em desenvolvimento. É necessário que o smartphone tenha uma versão do Android compatível com o sistema e tenha a tecnologia NFC, que permite a transmissão de dados por aproximação.

A partir da próxima semana, os consumidores já deverão encontrar a opção de pagamento em alguns eventos. Para utilizá-la, é necessário realizar a operação de compra normal e, então, selecionar a opção de pagamento com Ingresse Tap - apenas "cartão de débito", uma novidade na plataforma, ou então "aproximação" na opção de cartão de crédito -, em seguida, o comprador precisa aproximar o cartão, sem inserir nenhum dado, e a compra é processada.

Além dos cartões de crédito e débito, será possível também realizar pagamentos com cartões virtuais em outros smartphones e também em relógios inteligentes com carteiras digitais. Na prática, o sistema combina a tecnologia de pagamento por aproximação com o Tap to Phone, criado pela Visa para transformar celulares em processadores de pagamentos.

A tecnologia surgiu voltada para comerciantes, mas agora o Ingresse Tap marca um avanço de disponibilidade para qualquer celular. Segundo a Visa, o objetivo é reduzir fricções e melhorar a experiência de compra dos usuários. A iniciativa é a primeira do tipo na América Latina.

Durante o evento de lançamento do projeto, Fernando Pantaleão, vice-presidente de Vendas e Soluções para Varejo da Visa do Brasil, explicou que o Ingresse Tap aproveita as vantagens das transações de "cartão presente" - termo que se refere aos pagamentos em maquininhas com cartões -, em especial uma facilidade de autenticação e processamento.

"Nesse tipo de transação, o próprio consumidor já se autentica como o portador do cartão. É algo que tira a responsabilidade do lado do comerciante", explica. Há, ainda, a perspectiva de que esse tipo de recurso reduza os custos das empresas com o estorno de pagamentos.

A intenção da Visa, ressalta o executivo, é escalar a tecnologia para outras plataformas de varejo e outros países da América Latina. Pantaleão disse que o Brasil foi escolhido para iniciar o projeto por ter um "ambiente propício", com uma população mais aberta a novas tecnologias e com uma boa penetração tanto do Tap to Phone quanto do pagamento por aproximação.

Ele comentou ainda que não acredita que o Ingresse Tap será um concorrente do Pix. "O Pix está aí, a gente olha como uma oportunidade, porque ele trouxe uma digitalização muito acelerada para o mercado e muda o comportamento do consumidor e suas exigências. A gente vê o Ingresse Tap como uma solução complementar, buscando mais inclusão digital".

Gabriel Nicola, head de Pagamentos na Ingresse, explicou que a plataforma de compra de ingressos para eventos foi escolhida para testar a tecnologia pela possibilidade de criar "microecossistemas" de testes, pensando em eventos específicos ou número de pessoas que poderão adquirir os ingressos com a nova opção de pagamento, facilitando os testes.

Ele ponderou ainda que não vê uma "extinção das maquininhas de cartão" com iniciativas como do Ingresse Tap: "A ideia é ter mais uma forma da pessoa poder comprar, e se preferir usar e se sentir mais segura, vai ter essa opção.
A gente acredita que vai dar mais segurança na transação".

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Mais de Future of Money

Brasileiros investem R$ 28,7 milhões em fundos de cripto e ignoram queda internacional

Mineradores podem trocar bitcoin por inteligência artificial após halving; entenda

Blockchain ajuda na inclusão financeira, mas não é "varinha mágica", diz executivo

Taxas de transação com bitcoin despencam e revertem disparada após halving

Mais na Exame