Minerador devolve R$ 125 milhões e erro de corretora custa 'só' R$775.000

Erro que gerou a maior taxa da história da rede Ethereum termina com final feliz: minerador devolve valor cobrado errado e fica com US$ 150.000 de "recompensa"

Na última segunda-feira, 27, um erro em uma transferência de 100.000 dólares em criptomoedas custou à corretora Bitfinex mais de 23,7 milhões de dólares (125 milhões de reais) em taxas. Mas o que seria uma tragédia - e a maior taxa já cobrada numa transação da história da rede Ethereum - terminou com final feliz.

O minerador responsável por validar a transação em questão, feita com a stablecoin USDT, concordou em devolver os 7.676 ether pagos pelo remetente. O responsável pela devolução não foi identificado, mas a devolução foi confirmada pela DeversiFi, corretora descentralizada incubada pela Bitfinex que era o destino dos 100.000 USDT.

"Obrigado ao minerador do bloco 13307440 que, podemos confirmar, está devolvendo 7.626 ETH que pagamos incorretamente como taxa de transação", publicou a empresa. "O blockchain é imutável, mas a revolução da qual fazemos parte é definida por nossos valores como humanos", completa a publicação da DeversiFi no Twitter.

Em um artigo sobre o ocorrido publicado no seu site oficial, a DeversiFi explica que a discrepância de valores se dá porque a própria empresa ofereceu ao minerador uma "recompensa" de 50 ETH, o que corresponde atualmente a quase 145.000 dólares (775.000 reais) - ainda muito acima dos cerca de 100 dólares que a transferência deveria ter custado.

De acordo com a companhia, o contato com o minerador foi possível após a DeversiFi notar que o endereço dele fazia envios frequentes de ativos para uma carteira da Binance. Em contato com a corretora, a DeversiFi conseguiu que o minerador recebesse um endereço de email da empresa para contato.

Ainda segundo a DeversiFi, o erro aconteceu devido à "problemas subjacentes na biblioteca EthereumJS que coincidem com as mudanças nas taxas de gás associadas à atualização EIP-1559 que em algumas circunstâncias podem levar a transações com taxas extremamente altas; combine isso com o fato de que carteiras de hardware Ledger podem, às vezes, exibir taxas de uma maneira não-legível por humanos, removendo uma verificação de segurança humana importante". Segundo a empresa "apenas carteiras com uma grande quantidade de fundos seriam afetadas, e todos os outros usuários veriam uma transação com falha".

A empresa afirma, ainda, que está em contato com a comunidade de desenvolvedores do Ethereum e com a Ledger para pensar em soluções para os problemas que levaram à cobrança da taxa milionária. Diz, também, que trabalha no desenvolvimento de medidas defensivas mais fortes.

Apesar de ainda ter sido uma transação caríssima, com taxas superiores ao valor enviado, é fácil dizer que os responsáveis pela operação ainda saíram no lucro.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também