Acompanhe:

Mineração de bitcoin consome 16 mil litros de água por transferência, diz pesquisador

Levantamento aponta que equivalente a uma piscina cheia de água é consumida para processar cada transação na rede da criptomoeda

Modo escuro

Continua após a publicidade
Impacto ambiental da indústria de criptomoedas se tornou ponto de atenção nos últimos anos (Reprodução/Reprodução)

Impacto ambiental da indústria de criptomoedas se tornou ponto de atenção nos últimos anos (Reprodução/Reprodução)

O pesquisador Alex De Vries, conhecido por ser um crítico do bitcoin, publicou nesta semana um artigo científico com dados que indicam que, para cada operação processa na rede blockchain da criptomoeda, são gastos 16 mil litros de água, equivalente a uma pequena piscina de natação.

Segundo De Vries, o consumo de água ocorre devido à demanda de sistemas de resfriamentos para as máquinas usadas no processamento das transferências, um processo conhecido como mineração. Há, ainda, o consumo de água das fontes de energia dessas máquinas.

A pesquisa não é a primeira vez que De Vries busca dimensionar as transferências de bitcoin. Em seu site Digiconomist, ele projeta que, atualmente, uma transferência da criptomoeda possui o mesmo impacto ambiental de 808 mil transações na rede da Visa ou de passar 60 mil horas assistindo a vídeos no YouTube.

Em 2017, De Vries chegou a projetar que o bitcoin igualaria até 2020 todo o consumo de energia do mundo, o que acabou não se concretizando. Ao mesmo tempo, as estimativas de impactos ambientais ligados à criptomoeda ainda não são um consenso entre pesquisadores.

O Centro para Finanças Alternativas da Universidade de Cambridge argumenta, por exemplo, que a adição de mais equipamentos de mineração e um aumento no consumo de energia não impactam no número de transferências processadas.

  • Aproveite todas as possibilidades do mundo crypto. A Mynt ajuda você a explorar o melhor do mercado com segurança e diversidade de criptomoedas. Clique aqui para abrir sua conta.

Impacto ambiental do bitcoin

Por mais que projeções como a de De Vries rendam críticas e polêmicas, o impacto ambiental se tornou uma preocupação crescente no mercado das criptomoedas, com críticas sobre contribuições às mudanças climáticas com emissões de gases de efeito estufa. Nos últimos anos, diversas redes blockchain foram lançadas com a missão de reduzir emissões e impacto por operações.

No caso do bitcoin, dados da Universidade de Cambridge indicam que, nos últimos anos, fontes renováveis de energia e com impacto ambiental passaram a ganhar espaço no fornecimento de energia para as operações de mineração da criptomoeda, com destaque para a energia hidrelétrica.

No X, antigo Twitter, Daniel Batten, fundador de uma startup de remoção de gás metano da atmosfera, criticou De Vries: "Agora que está claro que a principal fonte de energia do bitcoin não é o carvão (como De Vries havia afirmado falsamente), mas a energia hidrelétrica, o bitcoin de repente é ruim por usar muita água".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Donos de token do Coritiba recebem mais de R$ 1 milhão por venda de jogador Dodô
Future of Money

Donos de token do Coritiba recebem mais de R$ 1 milhão por venda de jogador Dodô

Há 9 horas

Muitos vão desejar ter entrado no Drex assim como no início do bitcoin, diz executivo da Elo
Future of Money

Muitos vão desejar ter entrado no Drex assim como no início do bitcoin, diz executivo da Elo

Há 10 horas

Empresas de criptomoedas somam R$ 450 bilhões em investimentos desde 2017
Future of Money

Empresas de criptomoedas somam R$ 450 bilhões em investimentos desde 2017

Há 11 horas

Concurso da Caixa: banco exige conhecimentos em bitcoin, blockchain e Drex
Future of Money

Concurso da Caixa: banco exige conhecimentos em bitcoin, blockchain e Drex

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais