Future of Money

Gestora bilionária reforça projeção de bitcoin a US$ 150 mil até o fim de 2025

Criptomoeda valorizou mais de 50% em 2024, e piora no quadro macroeconômico não afetou projeção de analistas do Bernstein

Bitcoin disparou mais de 50% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin disparou mais de 50% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 7 de maio de 2024 às 15h13.

A gestora bilionária Bernstein reforçou na última segunda-feira, 6, a sua projeção de que o bitcoin vai valer US$ 150 mil até o fim de 2025. Para os analistas da empresa, a criptomoeda "está longe de acabar" seu ciclo de alta, mesmo com um período de maior dificuldade e quedas em relação aos recordes deste ano.

Em um relatório, os analistas do Bernstein afirmaram que estão se sentindo "ainda melhores" em relação à projeção de preço para o fim de 2025 e que "as métricas indicam um ciclo [de alta] saudável, ainda nos seus estágios iniciais", indicando o potencial de novas valorizações.

Para o Bernstein, "a relação recompensa-risco segue atrativa" para os investidores de bitcoin. Outro destaque da empresa é que a queda recente do ativo, que chegou a rondar os US$ 57 mil, pode acabar sendo positiva ao "limpar o excesso de alavancagem nos contratos futuros em corretoras".

Os analistas citaram também uma retomada nos fluxos de investimento para os ETFs de preço à vista do ativo nos Estados Unidos, com um destaque para o primeiro saldo positivo de investimentos no ETF da Grayscale após 78 dias consecutivos de perda de capital.

"Isto é significativo considerando que o ETF de bitcoin da Grayscale tem sido uma fonte de vendas significativas e contínuas, que os novos nove ETFs tiveram que absorver", comentaram os analistas. O ETF da Grayscale é um dos maiores do mercado, junto com o fundo da BlackRock, e por isso tem um impacto maior no segmento.

O cenário positivo traçado pelo Bernstein para os próximos meses leva em conta uma continuidade dos fluxos de investimento nos ETFs, um aprofundamento da adoção institucional da criptomoeda e uso como reserva e uma manutenção da "saúde" da rede mesmo após a conclusão do último halving, em 19 de abril.

E, para os analistas, todos esses elementos estão sendo atingidos no momento, incluindo a continuidade de taxas "saudáveis" no blockchain do bitcoin, preços ainda razoáveis para equipamentos de mineração e um poder computacional de mineradores ainda elevado.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Stablecoins representam o maior volume de lavagem de dinheiro com criptoativos, aponta pesquisa

NFTs de Donald Trump disparam após ex-presidente sobreviver a ataque nos EUA

CEO da BlackRock reconhece erro sobre bitcoin e vê ativo como "ouro digital"

"Fator Trump" cria volatilidade, mas pode fazer bitcoin disparar, diz gestora

Mais na Exame