'Falha completa', diz novo CEO da FTX sobre falência da corretora cripto

John Ray revelou às autoridades dos EUA uma série de problemas de gestão na exchange e criticou o ex-CEO, Sam Bankman-Fried
John Ray assumiu como novo CEO da FTX para administrar a empresa durante processo de falência (Reprodução/Reprodução)
John Ray assumiu como novo CEO da FTX para administrar a empresa durante processo de falência (Reprodução/Reprodução)
J
João Pedro MalarPublicado em 17/11/2022 às 18:29.

John Ray, que assumiu como novo CEO da FTX para liderar a empresa no seu processo de falência, falou sobre a quebra da segunda maior corretora de criptoativos do mundo como parte do acompanhamento judicial para o pedido, feito nos Estados Unidos.

Em documentos divulgados nesta quinta-feira, 17, ele disse que nunca havia encontrado em sua carreira "uma falha tão completa dos controles da empresa e uma ausência tão grande de informações financeiras confiáveis ​​como ocorreu aqui".

(Mynt/Divulgação)

"Considerando desde a falta de integridade de sistemas comprometidos e uma supervisão regulatória falha no exterior, até a concentração de controle nas mãos de um grupo muito pequeno de inexperientes, não sofisticados e potencialmente parciais indivíduos, esta situação é inédita", afirmou o novo CEO.

Segundo ele, o pedido de falência tem cinco objetivos principais:

  • Implementação de sistemas de controle ligados a contabilidade, auditoria,
    gestão de caixa, cibersegurança, recursos humanos, gestão de riscos e proteção de dados, que "não existiam em um nível apropriado";
  • Localização e proteção de propriedades da empresa, dos quais "uma porção considerável pode estar desaparecida ou foi roubada";
  • Uma investigação abrangente e transparente sobre as afirmações feitas pelo ex-CEO, Sam Bankman-Fried sobre o caso, em coordenação com agentes regulatórios dos EUA e internacionais;
  • Cooperação e coordenação com empresas que subsidiam procedimentos de insolvência;
  • Maximização do valor para todos os acionistas através da reorganização ou vendo dos negócios, investimentos e propriedades da exchange

Ray disse ainda às autoridades norte-americanas que identificou quatro grandes áreas de atuação da FTX, divididas por ele em "silos". O primeiro é voltado principalmente à subsidiária da empresa nos EUA, a FTX.US, enquanto o segundo abrange a Alameda Research.

Já o terceiro "silo" reúne outras empresas de investimento fundadas por Sam Bankman-Fried, e o quarto, o site da FTX internacional e outras subsidiárias. "Cada um desses silos era controlado por Bankman-Fried", observa Ray.

O novo CEO da FTX diz ainda que o "silo" ligado à FTX.US deve ter "passivos significativos decorrentes de criptoativos depositados por clientes através da plataforma FTX.US", que não está aceitando retiradas.

Já a Alameda Research teria US$ 5 bilhões em dívidas, somados aos US$ 1,5 bilhão de outras empresas de investimento e US$ 465 milhões do "silo" ligado ao site da FTX.

Em todos os casos, porém, Ray ressalta que "como este balanço não foi auditado e produzido enquanto os devedores eram controlados por Bankman-Fried, não tenho confiança nele e as informações podem não estar corretas".

  • A melhor experiência e atendimento em português. Ninguém merece consultar o tradutor online enquanto tem problemas com o suporte, por isso, a Mynt tem atendimento humanizado 24 horas e em português. Abra sua conta e tenha uma experiência única ao investir em crypto.

Ao falar sobre a crise da empresa, o novo CEO disse que a falência foi causada por uma "severa crise de liquidez" e o surgimento de "questionamentos sobre a liderança de Bankman-Fried e a forma como administrou seu complexo conjunto de ativos e negócios".

Ray informou às autoridades que, desde que assumiu o cargo, concluiu que "muitas das companhias do grupo FTX não tinham governança corporativa adequada" e que nomeou novos diretores independentes para todas as empresas.

O objetivo é que esses diretores implementem mecanismo de controle, proteção de ativos, investiguem a insolvência da companhia e maximizem o valor para acionistas.

Segundo o CEO, a corretora de criptoativos "não mantinha um controle centralizado de seu caixa", com uma série de falhas incluindo a falta de uma lista de contas bancárias e atenção insuficiente ao grau de crédito dos seus parceiros ao redor do mundo.

"Devido a falhas históricas de gestão de caixa, os devedores ainda não sabem a quantia exata de dinheiro que o Grupo FTX detinha", destacou Ray. A empresa não tinha um departamento de contabilidade, e está agora no processo de identificar todos os históricos financeiros produzidos.

Até o momento, os novos diretores da corretora recuperaram cerca de US$ 740 milhões em criptoativos que estavam armazenados em carteiras digitais, mas não há uma divisão clara de quanto corresponde a cada negócio que Bankman-Fried criou.

Ray ressaltou ainda que "Bankman-Fried não é empregado e não fala pela FTX. Ele está atualmente nas Bahamas, e continua a tornar públicas declarações erráticas e enganosas".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok