Future of Money

Entenda a acusação contra Elon Musk por insider trading com dogecoin

Ação de investidores contra o bilionário foi aberta em junho de 2022 e solicita uma multa de US$ 258 bilhões

Elon Musk ficou conhecido por defender a criptomoeda dogecoin (AFP/AFP)

Elon Musk ficou conhecido por defender a criptomoeda dogecoin (AFP/AFP)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 2 de junho de 2023 às 10h46.

Um processo bilionário envolvendo o empresário Elon Musk ganhou novos desdobramentos nesta semana. O dono da Tesla e do Twitter enfrenta uma acusação movida por um grupo de investidores nos Estados Unidos, que afirmam que o executivo realizou insider trading e um esquema de pirâmide envolvendo a criptomoeda meme dogecoin.

Os investidores responsáveis pela acusação decidiram atualizar suas queixas junto à Justiça dos EUA. Agora, eles incluíram a mudança no símbolo do Twitter por Musk em abril - quando o tradicional passarinho azul foi substituído pelo logo do dogecoin - como uma ação de insider trading por parte do bilionário.

Segundo a acusação, o bilionário teria vendido cerca de US$ 126 milhões em dogecoin logo após ter realizado a mudança no logo. A ação levou a uma forte valorização da criptomoeda, com alta de mais de 30%, o que fez com que Musk tivesse lucro ao realizar a operação.

A nova queixa dos investidores afirma que o movimento de Musk foi uma "manipulação de mercado e insider trading", já que ele se aproveitou da sua influência no mercado para gerar um evento que inflou o preço do dogecoin e, então, vendeu o ativo. O juiz responsável pelo caso, Alvin Hellerstein, afirmou no dia 1º de junho que ele "provavelmente" permitirá a inclusão da queixa no processo.

Processo contra Elon Musk

As acusações contra Elon Musk começaram em junho de 2022. À época, o grupo de investidores acusou o bilionário de ter criado um esquema de pirâmide por meio do dogecoin, usando da sua influência para atrair ou afastar investidores para o ativo e lucrar com as flutuações de preço.

Os investidores citaram no processo a aparição do executivo no programa norte-americano Saturday Night Live em maio de 2021, onde ele incorporou "um especialista financeiro fictício" e chamou o dogecoin de "uma vigarice" como uma das evidências sobre a manipulação do preço da criptomoeda.

Minutos após a aparição de Musk no popular e tradicional programa humorístico da televisão norte-americana, o preço do dogecoin despencou mais de 25%, caindo de US$ 0,66 no início da transmissão para US$ 0,50. Musk teria feito muitos esforços para reacender o entusiasmo das pessoas pelo ativo após a sua aparição na televisão.

Ele disse a seus seguidores no Twitter poucos dias depois que estava trabalhando com “desenvolvedores do dogecoin para melhorar a eficiência do sistema” e que o desenvolvimento poderia ser “potencialmente promissor". Durante o período de queda que abalou o mercado em março de 2022, Musk chegou a revelar para seus seguidores no Twitter que não venderia suas participações em criptomoedas, incluindo bitcoin, ether e dogecoin.

Por outro lado, os advogados do bilionário afirmaram que o apoio de Musk ao dogecoin nas redes sociais, com comentários como “Dogecoin Rulz” e “sem altos, sem baixos, apenas Doge”, eram “muito vagos” para justificar uma acusação de fraude. Eles afirmaram ainda que “não há nada de ilegal em publicar palavras de apoio ou imagens engraçadas sobre uma criptomoeda legítima que detém uma capitalização de mercado de quase US$ 10 bilhões".

O que é o dogecoin?

O dogecoin é a maior criptomoeda meme do mercado. O termo se refere a ativos que não possuem um valor ou caso de uso intrínseco, mas acabam atraindo investidores por estarem ligados a algum evento popular ou meme. No caso do dogecoin, ele foi inspirado no Doge, um cachorro da raça Shiba Inu que gerou diversos meme na internet.
A criptomoeda é considerada a "queridinha" de Elon Musk, e é defendida pelo empresário desde meados de 2020. Nesse meio tempo, Musk já chegou a elogiar o potencial da dogecoin como moeda e até mesmo discutiu com Billy Markus, um dos criadores da criptomoeda meme.

“Pretendo apoiar pessoalmente a dogecoin, porque conheço muitas pessoas que não são tão ricas que me incentivaram a comprar e apoiar a dogecoin, então estou respondendo a essas pessoas”, disse Musk em entrevista à Bloomberg ao ser questionado sobre seu apreço pelo ativo.

yt thumbnail

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:elon-muskCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Presidente de El Salvador quer criar "Banco Bitcoin" para investidores

Ton, blockchain ligado ao Telegram, bate recorde e chega a R$ 3 bilhões em investimentos

Investidores de criptomoedas deveriam estar em pânico, diz fundador de fundo

Binance é acusada de racismo por publicação nas redes sociais e culpa estagiário

Mais na Exame