Future of Money

Elon Musk confirma compra do Twitter e criptomoeda dogecoin dispara 30%

Criptomoeda defendida pelo dono da Tesla se beneficia de anúncio de compra do Twitter em meio a expectativas de que possa ter papel relevante na rede social

Elon Musk é o novo dono do Twitter (Felipe Alves/Unsplash)

Elon Musk é o novo dono do Twitter (Felipe Alves/Unsplash)

Após seis meses de negociações, Elon Musk anunciou nesta quinta-feira, 27, a aquisição do Twitter. O empresário tinha até a próxima sexta-feira, 28, para concluir o negócio, segundo uma determinação judicial. Após o anúncio, uma criptomoeda relacionada à Musk apresentou ganhos significativos: dogecoin.

Baseada em um meme de cachorro da raça Shiba Inu, a criptomoeda disparou 30,8% nos últimos sete dias, de acordo com dados do CoinGecko. Cotada a US$ 0,076791, a dogecoin subiu 14,1% nas últimas 24 horas.

Em meio a rumores de que a negociação entre Elon Musk e o Twitter estariam chegando a uma conclusão, investidores estiveram cada vez mais otimistas de que a dogecoin poderá desempenhar um papel relevante na rede social após a compra.

Isso porque Elon Musk é um grande defensor da dogecoin. Conhecido como “dogefather”, em referência ao filme O Poderoso Chefão, Musk já defendeu a criptomoeda-meme diversas vezes em sua conta no próprio Twitter.

Seus comentários costumam ter impactos no preço da criptomoeda-meme e de outros ativos relacionados, conhecido como “Efeito Elon”. Em janeiro, a Tesla passou a aceitar dogecoin na compra de produtos promocionais.

(Mynt/Divulgação)

Mesmo após ser processado em US$ 258 bilhões, mais do que toda a sua fortuna, segundo dados da Forbes, Musk continuou apoiando a dogecoin. O empresário da Tesla chegou até mesmo a discutir com o próprio criador da criptomoeda, Billy Markus, que abandonou o projeto e virou um de seus críticos.

O dono da Tesla e agora do Twitter também já afirmou ver potencial na dogecoin como moeda. Levando em consideração as iniciativas prévias do Twitter na Web3, muitos investidores da dogecoin estão otimistas de que a criptomoeda-meme poderá ser envolvida de forma significativa no Twitter, uma das maiores redes sociais do mundo, sob os comandos de Musk.

Conhecida como a nova fase da internet, a Web3 engloba a tecnologia blockchain, criptomoedas e NFTs em um formato descentralizado da internet que conhecemos hoje. Sob o comando do ex-CEO do Twitter, Jack Dorsey, a rede social passou a trabalhar com pagamentos em bitcoin pela rede Lightning para a doação de gorjetas, por exemplo. Dorsey deixou o Twitter para atuar na Block, empresa que atua no setor de criptoativos.

Em um anúncio em sua conta oficial do Twitter, Musk disse que comprou o Twitter porque “é importante para o futuro da civilização ter uma ‘praça digital universal’”.

O bilionário chegou a mudar de ideia várias vezes durante as negociações de aquisição. Uma decisão judicial do Tribunal de Justiça de Delaware chegou a obrigá-lo a concluir o negócio até a próxima sexta-feira, 29.

“Fundamentalmente, o Twitter quer se tornar a plataforma mais respeitada de propagandas do mundo, que fortalece sua marca e faz sua empresa crescer. Para todos que foram nossos parceiros, eu agradeço. Vamos construir algo extraordinário juntos”, concluiu Musk em seu comunicado.

Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:Criptomoedaselon-muskTwitter

Mais de Future of Money

Gestora brasileira Hashdex quer lançar ETF misto de bitcoin e ether nos EUA

Golpistas roubam R$ 15 milhões de gigante cripto e pedem recompensa por encontrar falha

Análise: mercado cripto passa por 2ª semana de correção, mas tendência ainda é de alta

Receita Federal aperta cerco contra corretoras estrangeiras de criptomoedas; entenda

Mais na Exame