Future of Money

Drex: há 4 anos em ativos digitais, BTG quer se aprofundar no Real Digital

Executivo de tecnologia do BTG Pactual acredita que Pix democratizou as transações e Drex poderá fazer o mesmo com os produtos do mercado financeiro; banco de investimentos está no projeto piloto do BC

BTG Pactual (BPAC11) - sede do banco em São Paulo  (Leandro Fonseca/Exame)

BTG Pactual (BPAC11) - sede do banco em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 7 de novembro de 2023 às 11h30.

Última atualização em 7 de novembro de 2023 às 14h47.

O Banco Central está desenvolvendo o Drex, a nova moeda digital brasileira. Já em fase de testes, a autarquia selecionou no início do ano uma série de empresas e instituições financeiras para participar do projeto piloto do que será o Real Digital.

O BTG Pactual, maior banco de investimentos da América Latina, está entre as instituições selecionadas e já realizou a primeira transação com o Drex no piloto. Raphael Soares, líder de tecnologia da área de Digital Assets, acredita que o Drex, quando lançado, poderá democratizar o acesso aos produtos de investimento.

Em entrevista exclusiva à EXAME, Soares contou que o banco de investimentos participa de conversas sobre o Drex desde o início do ano, quando a Febraban montou um grupo de trabalho chamado ACT junto com os principais bancos brasileiros para trabalhar em conjunto com o Banco Central no projeto do então “Real Digital” que posteriormente foi apelidado de Drex.

  • Este conteúdo é parte do "Especial: Real Digital", que tem apoio da Mynt e patrocínio de Aarin Tech-Fin e Febraban. Para saber mais e acompanhar todos os conteúdos exclusivos com quem mais entender de Drex no Brasil, acesse a página do evento na EXAME clicando aqui. 

Já no piloto, o BTG participou de decisões técnicas e padronizações “conseguimos estar bastante ativos nesse início do piloto”, disse o executivo.

O banco possui dois funcionários inteiramente dedicados ao projeto piloto do Drex: um focado em infraestrutura e outro em desenvolvimento.

“Eles participam diariamente de reuniões junto com os integrantes dos outros bancos, mais o pessoal do BC, colocando a mão na massa, montando a infraestrutura necessária para subir a rede Hyperledger Besu dentro da rede do BC, fazem testes nessa rede, testes de conectividade com outros participantes, etc. Já o pessoal de desenvolvimento trabalha em conjunto com o BC e a Selic para implementar os contratos inteligentes necessários”, explicou ele à EXAME.

Quatro anos em ativos digitais

O banco não precisou contratar ninguém para entrar no projeto piloto, pois já possuía os funcionários necessários de acordo com as exigências do Banco Central. Há quatro anos investindo em iniciativas com ativos digitais, o BTG Pactual é um dos bancos de investimento brasileiros que mais se destaca no setor.

“Eram pessoas que já trabalham conosco em Digital Assets, então eram pessoas preparadas para já chegar jogando dentro do projeto. O BC queria pessoas que já tinham conhecimento porque eles querem ter mais agilidade nesse momento do piloto”, explicou Soares, que é líder de tecnologia em Digital Assets no BTG.

Raphael Soares contou à EXAME que o BTG Pactual aproveitou sua experiência com outras iniciativas em ativos digitais para poder se aprofundar ainda mais no Drex agora.

“Nós temos uma agenda bastante ativa em Digital Assets dentro do BTG desde meados de 2018 e 2019. Já tínhamos esse conhecimento de tecnologia e das áreas de negócio, porque tínhamos feito alguns projetos no setor”, disse ele.

Entre os projetos do BTG relacionados à ativos digitais estão o ReitBZ, primeiro security token emitido por um banco no mundo, a Mynt, plataforma de criptoativos, BTG Dol, stablecoin lastreada em dólar e mais recentemente a custódia de ativos digitais. “Isso nos auxiliou bastante como pontos positivos para a seleção para o piloto do Drex”, disse Soares.

“Olhando um pouco para trás, conseguimos atuar um pouco em todas as frentes que esse novo mundo está permitindo, adquirimos conhecimento nos últimos anos e agora com o Drex e tudo que vai começar a surgir vamos nos aprofundar ainda mais nesse mundo”, acrescentou.

Expectativas do BTG para o Drex

O executivo e especialista em tecnologia espera que o Drex possa baratear o custo das transações que já ocorrem hoje em dia no mercado financeiro, democratizando o acesso aos produtos de investimento.

“Fazendo um paralelo, o Pix democratizou a parte de transações e hoje todo mundo tem uma maior facilidade nesse quesito. A minha expectativa é que com o Drex isso possa ser feito com produtos de investimento”, concluiu.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:Especial: Real DigitalBTG PactualDrex (Real Digital)

Mais de Future of Money

Investidores institucionais não acreditam em alta do bitcoin no curto prazo, aponta relatório

Dolce & Gabbana é processada nos EUA após problemas em coleção de NFTs

Ethereum pode "surpreender" investidores e voltar a disparar, afirma Coinbase

Projeto vencedor de hackathon na Ethereum Rio une blockchain e IA para melhorar o sistema carcerário

Mais na Exame