Future of Money

Conheça o padrão ERC-6551, que promete ser a evolução dos NFTs

NFTs ainda são encarados com muito ceticismo pelo público em geral, mas desenvolvedores não desistem de correr atrás para alavancar sua usabilidade

Novo padrão busca trazer novas funcionalidades para NFTs (Getty Images/Reprodução)

Novo padrão busca trazer novas funcionalidades para NFTs (Getty Images/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de junho de 2023 às 10h00.

Por Felippe Percigo*

Os tokens não-fungíveis (NFTs, na sigla em inglês) ainda são encarados com muito ceticismo pelo público em geral, mas os desenvolvedores não desistem de correr atrás para alavancar a usabilidade da tecnologia e aproximá-la cada vez mais da sociedade.

No dia 7 de maio deste ano, a introdução de um novíssimo padrão de NFT na blockchain da Ethereum, batizado de ERC-6551, vem entregando funcionalidades inéditas e que podem ajudar a pavimentar a estrada para uma adoção em massa da tecnologia.

A sigla parece complicada? Não criemos pânico, vamos entendê-la.

ERC significa “Ethereum Request for Comments” ou, em português, Solicitação de Comentários do Ethereum. Faz referência a um conjunto de documentos técnicos que estabelecem padrões para o desenvolvimento dos ativos digitais, a grosso modo uma espécie de receita. A partir destas regras, os desenvolvedores criam os seus projetos de forma que todos falem a mesma língua.

O primeiro padrão criado foi o ERC-721, em 2017, abrindo caminho para a tokenização de ativos digitais únicos que conhecemos como NFTs. Seu nascimento trouxe um vislumbre inovador do futuro da propriedade e da proveniência na blockchain.

Desde então, novas atualizações foram implementadas e pudemos testemunhar, inclusive, um enorme hype invadir o mercado de ativos digitais com o surgimento dos JPEGs, as famosas artes digitais baseadas em blockchain.

Propagandeadas no último ciclo de alta por estrelas do calibre de Madonna, Snoop Dogg, Eminem e Neymar, coleções como Bored Ape Yacht Club e CryptoPunks inflamaram o mercado em 2021/2022. Algumas peças chegaram a custar milhões de dólares.

O hype diminuiu e deixou exposta a pouca usabilidade dos JPEGs. No entanto, foi muito bom ver a poeira baixar, porque desenvolvedores e empresas começaram a olhar mais na direção de usar os NFTs como ferramenta para solucionar dores reais da indústria em geral.

Saindo das imagens estáticas, começamos a explorar novas formas de representá-los, como os NFTs dinâmicos, que podem ser programados para mudar com o tempo, itens de jogos e músicas, passando por utilidades como registros de histórico médico e rastreamento e autenticação de garrafas de vinhos, por exemplo, ou carros com certificação em NFT. Aplicações no agronegócio, setor imobiliário e tantos outros já são realidade. Prometo uma coluna sobre esse assunto.

Uma nova era com ERC-6551 e TBAs

Agora, de volta ao padrão recém-criado ERC-6551, sua implementação permite que os NFTs funcionem como “contas vinculadas a tokens” ou TBAs (Token Bound Accounts), com a criação de uma carteira de contrato inteligente para cada NFT ERC-721. Essa é uma forma de trazer muito mais dinamismo e versatilidade ao uso da tecnologia.

Mas o que são TBAs? As TBAs são carteiras que possibilitam a criação de interface e registro para contas de contrato inteligente pertencentes a tokens ERC-721. Os NFTs passam a ter a capacidade de “possuir” ativos e executar transações.

As contas vinculadas a tokens dão aos NFTs duas importantes propriedades:

  • como falamos acima, a primeira é a capacidade de “possuir” ativos, independentemente de serem ERC-20 (padrão de token fungível na Ethereum), ERC-721 ou ERC-1155 (que combina tokens fungíveis e não-fungíveis). Daí, as ações que você realiza com sua carteira Ethereum tradicional podem ser feitas agora com um NFT padrão ERC-721, graças ao protocolo ERC-6551
  • a capacidade de participar da governança (por exemplo, votar em propostas da comunidade ou registrar um domínio ENS próprio)

As TBAs também registram todas as atividades realizadas na blockchain de maneira imutável. Ou seja: cada NFT em uma carteira tem um histórico completo da propriedade dos ativos e das transações.

Embora as contas vinculadas a tokens pertençam tecnicamente a um NFT ERC-721, o controle é atribuído ao proprietário do NFT, que está apto a conduzir ações na blockchain em nome de um NFT por meio de uma TBA.

Seguem alguns casos de uso do ERC-6551

Jogos

Suponhamos que você possua o NFT de um personagem de um jogo no formato ERC-721, armazenado normalmente na sua carteira. Ao evoluir no jogo e coletar outros itens, esses novos NFTs serão armazenados na carteira do proprietário como tokens separados uns dos outros.

Com os TBAs, é possível criar uma espécie de inventário do game. Os jogadores poderão transferir todos os ativos do jogo para a “carteira do personagem”, dando ao player uma visão completa de suas conquistas. Além disso, caso o jogador desista do jogo, ele pode vender o personagem já com tudo o que tem direito, o pacote completo de ativos coletados no game, uma mão na roda para o proprietário.

Programas de Fidelidade/Reputação e Identidade

Se uma identidade na blockchain é composta por ativos e transações em uma carteira específica, as TBAs, portanto, dão aos NFTs a capacidade de ter uma identidade própria. Os tokens não fungíveis também passam a poder interagir com aplicativos descentralizadas, os dApps, de forma independente.

As marcas têm tudo para tirar proveito da tecnologia e potencializar a experiência do consumidor. Graças ao ERC-6551, os NFTs são capazes de conceder a seus proprietários vantagens em um programa de fidelidade, por exemplo. Empréstimos também seriam facilitados, com os NFTs agregando valor à reputação, como um veículo para classificações de crédito verificáveis.

Engajamento da comunidade

Protocolos e DAOs poderão gerar mais incentivos para aumentar a participação e o engajamento da comunidade. Um membro pode fazer uma compra inicial de um NFT vinculado ao projeto, por exemplo, como um cartão de membro ou um JPEG, e ir acumulando valor a partir da coleta de outros NFTs relacionados ou mesmo diferentes ativos.

Gerenciamento de ativos

Uma propriedade importantíssima das TBAs é sua compatibilidade com diferentes tipos de ativos. Portanto, incorporar tokens, NFTs e outros ativos em um único TBA permite que os usuários façam transferências e troquem de plataformas (interoperabilidade) facilmente, proporcionando uma experiência mais positiva para os usuários.

Todos esses movimentos de que falamos são muito interessantes, mas devemos atentar para o fato de que os tokens ERC-6551 acabaram de sair do forno. Assim, todo cuidado é pouco. Quem estiver interessado deve tomar o cuidado de não ir com muita sede ao pote.

Um dos motivos é que, ao alavancar o valor dos NFTs, o novo padrão pode deixá-los ainda mais atraentes para os hackers. Preciso destacar também que muitos projetos e plataformas existentes ainda não dão suporte ao novo modelo.

*Felippe Percigo é um investidor especializado na área de criptoativos, professor de MBA em Finanças Digitais e educa diariamente, por meio da sua plataforma e redes sociais, mais de 100.000 pessoas a investirem no universo cripto com segurança.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:NFTsCriptoativos

Mais de Future of Money

Brasil tem 6ª maior adoção de criptomoedas no mundo, mas Argentina lidera na América Latina

Worldcoin, ligada a Sam Altman, dispara mais de 30% antes de distribuição gratuita

Mt. Gox movimenta mais R$ 15 bilhões em bitcoin, enquanto mercado teme novas quedas

J. D. Vance, vice de Trump, defende criptomoedas e já investiu em bitcoin

Mais na Exame