A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Brasil bate recorde de importação de commodities agrícolas

Estiagem prolongada afeta lavoura de grãos e provoca aumento de importações; compra externa de milho atinge patamar histórico

A quebra da safra de milho devido a estiagens prolongadas nas principais regiões produtoras preocupa produtores e exportadores. De acordo com a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), as exportações brasileiras de milho devem atingir cerca de de 2,37 milhões de toneladas neste mês, o que representa uma queda de 50% em relação ao mesmo período do ano passado.

A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Aprenda a investir com a EXAME Academy

Com as perspectivas de falta de milho no mercado nacional, a solução foi partir para as importações. Entre janeiro e junho deste ano, as importações do cereal aumentaram 102%, um recorde. O movimento foi favorecido pela suspensão do imposto de importação do produto, definida pelo governo em abril deste ano. A medida também vale para a soja.

O grande volume de exportações de soja no primeiro semestre, principalmente para a China, em que a retomada econômica disparou, também fez com que o Brasil precisasse apelar às importações para garantir um bom nível de estoques. As compras externas de soja aumentaram 92% no primeiro semestre, segundo dados do governo, enquanto as importações de óleo de soja cresceram 315%.

As boas perspectivas para o agronegócio este ano, quando deve ser batido um novo recorde de produçao de grãos, impulsionaram as importações de abudo, que atingiu um recorde de  16,6 milhões de toneladas no primeiro semestre, 15% a mais do que no mesmo período do ano passado.

A compra de defensivos agrícolas também aumentou. As importações desse tipo de produto somaram135 mil toneladas no primeiro semestrem, em um aumento de 23% em relação a 2020. 

  • Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também