Já classificado, Brasil sofre 1ª derrota no Mundial de vôlei feminino

Time pega China às 9h15 deste sábado, último jogo da fase de grupos
Para o técnico José Roberto Guimarães o importante é a equipe não se deixar abater e manter o foco para o duelo deste sábado, 1º (CBV/ TWITTER/Reprodução)
Para o técnico José Roberto Guimarães o importante é a equipe não se deixar abater e manter o foco para o duelo deste sábado, 1º (CBV/ TWITTER/Reprodução)
A
Agência Brasil

Publicado em 30/09/2022 às 19:11.

Última atualização em 30/09/2022 às 19:21.

A seleção brasileira, já classificada à segunda fase do Mundial de vôlei feminino, sofreu o primeiro revés nesta sexta-feira, 30, ao perder para o Japão por 3 sets a 1 (parciais de 25/22, 25/19, 17/25 e 25/20). As asiáticas não só quebraram a invencibilidade do Brasil na competição — três vitórias seguidas — em Arnhem (Holanda), como dificultaram a subida do país para o topo do Grupo D, liderado pela China.

E o último jogo das brasileiras na fase de grupos será exatamente contra as chinesas, às 9h15 (horário de Brasília) deste sábado (1º de outubro). O país está em segundo lugar na chave, com 9 pontos, a 3 de alcançar a líder China, que tem 100% de aproveitamento, sem um set sequer perdido. Para seguir na busca da liderança, as brasileiras precisarão derrotar as chinesas por 3 sets a 0. O total de pontos obtido na fase da grupos é levado para a etapa inicial da segunda fase.

Para o técnico José Roberto Guimarães o importante é a equipe não se deixar abater e manter o foco para o duelo deste sábado, 1º.

“Contra o Japão você tem de jogar pressionando o tempo inteiro. No quarto set, deixamos elas voltarem para o jogo e pagamos um preço alto por isso. No primeiro e segundo sets, corremos atrás do Japão o tempo todo e a nossa defesa não funcionou em nenhum momento. Temos de pensar na China porque em menos de 24 horas já vamos estar em quadra novamente. O Mundial é uma competição longa e temos de levantar a cabeça porque ainda tem muita coisa pela frente”, avaliou o treinador, em depoimento à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

As japonesas também quebraram hoje, 30, um jejum de quase cinco anos sem vitórias sobre as brasileiras o último triunfo nipônico ocorreu na Copa dos Campeões, em 2017.

Os destaques em quadra nesta sexta foram as japonesas Inoue (27 pontos) e Ishikawa (18) e a brasileira Pri Daroit (17).

O Brasil disputa o Mundial feminino com as levantadoras Macris e Roberta; as opostas Kisy e Lorenne; as ponteiras Gabi, Rosamaria, Pri Daroit e Tainara; as centrais Carol, Carol Gattaz, Julia Kudiess e Lorena; e as líberos Nyeme e Natinha. O país estreou com vitória por 3 sets a 1 contra a República Tcheca, depois bateu a Argentina por 3 a 0, mesmo placar do triunfo de ontem, 29, contra a Colômbia. O Mundial reúne 24 equipes divididas em quatro grupos. Avançam à segunda fase as quatro melhores em cada chave.

LEIA TAMBÉM:

Seleção feminina de vôlei coloca renovação à prova na Liga das Nações

Negrelli, ex-jogador da seleção brasileira de vôlei, morre aos 72 anos