Acompanhe:

O Ministério Público de Goiás (MPGO) deflagrou nesta terça-feira a Operação Penalidade Máxima II para cumprir três mandados de prisão preventiva contra envolvidos na manipulação de resultados de jogos de futebol. A suspeita é de que o grupo criminoso tenha atuado em partidas da Série A do Brasileiro e em cinco campeonatos estaduais. De acordo com a investigação, atletas cooptados recebiam de R$ 50 mil a R$ 100 mil para cumprirem determinadas ações durante o jogo, como tomar um cartão ou cometer um pênalti.

Um dos alvos de busca e apreensão é o jogador Victor Ramos, da Chapecoense, segundo o ge. Em nota, o clube afirmou que "reforça o seu apoio e, principalmente, a confiança na integridade profissional do atleta". Declarou ainda "posicionamento totalmente contrário a qualquer tipo de situação que envolva a manipulação de resultados de jogos". O clube acrescentou que esta prática é antidesportiva e fere "os valores éticos e morais da modalidade". A equipe de Chapecó também ressaltou que colabora com as investigações.

A ação é um desdobramento da Operação Penalidade Máxima, deflagrada em fevereiro e que resultou na denúncia de 14 pessoas, entre elas oito jogadores de futebol, na Série B. Os alvos da ação desta terça-feira tinham o modus operandi semelhante ao aplicado em partidas da segunda divisão.

A investigação identificou que a organização criminosa teria atuado "concretamente" em pelo menos cinco jogos da Série A do Brasileirão do ano passado. De acordo com o MPGO, os suspeitos ainda teriam tentado manipular cinco partidas de campeonatos estaduais, entre eles Goianão, o Gaúchão, o Mato-Grossense e Paulistão.

"A investigação indica que as manipulações eram diversas e visavam, por exemplo, assegurar a punição a determinado jogador por cartão amarelo, cartão vermelho, cometimento de penalidade máxima, além de assegurar número de escanteios durante a partida e, até mesmo, o placar de derrota de determinado time no intervalo do jogo", informou o MPGO em nota.

Segundo o MPGO, os jogadores eram demandados para realizar condutas previamente estabelecidas. O objetivo seria a obtenção de "grandes lucros em apostas realizadas em sites de casas esportivas". Para isso, os envolvidos usavam contas cadastradas em nome de terceiros.

Busca e apreensão

Também são cumpridos 20 mandados de busca e apreensão em 16 municípios de 6 estados. Os agentes apreenderam celulares, armas de fogo, munições e granadas nos endereços ligados aos envolvidos.

As ordens judiciais da Operação Penalidade Máxima II foram expedidos pela 2ª Vara Estadual dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e Lavagem ou Ocultação de Bens Direitos e Valores.

Os mandados estão sendo cumpridos em Goianira (GO), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Pelotas (RS), Santa Maria (RS), Erechim (RS), Chapecó (SC), Tubarão (SC), Bragança Paulista (SP), Guarulhos (SP), Santo André (SP), Santana do Parnaíba (SP), Santos (SP), Taubaté (SP) e Presidente Venceslau (SP

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Quem é Luíz Zubeldía, o novo técnico do São Paulo?
Esporte

Quem é Luíz Zubeldía, o novo técnico do São Paulo?

Há 3 horas

Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time
Esporte

Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time

Há um dia

Flamengo derrota São Paulo e assume liderança do Brasileiro
Esporte

Flamengo derrota São Paulo e assume liderança do Brasileiro

Há um dia

Jogos de hoje, quinta-feira, 18, onde assistir ao vivo e horários
Esporte

Jogos de hoje, quinta-feira, 18, onde assistir ao vivo e horários

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais