Economia

Vendas do varejo sobem 1,4% em julho ante junho

O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas, que esperavam de estabilidade a uma alta de 1,90%, e acima da mediana positiva de 1%


	Na comparação com julho do ano passado, as vendas do varejo tiveram alta de 7,1% em julho deste ano
 (Alexandre Battibugli/EXAME.com)

Na comparação com julho do ano passado, as vendas do varejo tiveram alta de 7,1% em julho deste ano (Alexandre Battibugli/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de setembro de 2012 às 10h50.

Rio de Janeiro - As vendas do comércio varejista restrito subiram 1,4% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam de estabilidade a uma alta de 1,90%, e acima da mediana positiva de 1,00%.

Na comparação com julho do ano passado, as vendas do varejo tiveram alta de 7,1% em julho deste ano. Nesse confronto, as projeções variavam de uma alta entre 5,00% e 10,00%, com mediana de 7,00%. Até julho, as vendas do varejo restrito acumulam altas de 8,8% no ano e de 7,5% nos últimos 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 1,5% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam desde uma queda de 2,40% até uma alta de 0,70%, com mediana negativa de 1,20%.

Na comparação com julho do ano passado, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 10,2% em julho deste ano. Nesse confronto, as projeções variavam de um avanço de 8,50% a 13,20%, com mediana de 10,50%. Até julho, as vendas do comércio varejista ampliado acumulam altas de 7,5% no ano e de 5,9% nos últimos 12 meses.

A queda de 1,5% nas vendas do varejo ampliado na passagem de junho para julho foi causada pelo recuo de 8,9% no volume de vendas da atividade de veículos e motos, partes e peças. Foi o pior resultado para o setor de veículos desde abril de 2010, quando as vendas caíram 14,9%, informou o IBGE.

Em relação a julho de 2011, entretanto, a atividade de veículos registrou uma ampliação de 16,4% no volume de vendas. No ano, a alta acumulada é de 5,0%, e, em 12 meses, há expansão de 2,9%.

A alta de 1,4% nas vendas do comércio varejista em julho fez a média móvel trimestral do setor ficar em 0,7% no mês. Em junho, a média móvel das vendas no varejo foi de 0,52%.


O IBGE também revisou as vendas no comércio varejista em junho ante maio, de 1,5% para 1,6%. A taxa de março ante fevereiro igualmente foi revisada, de 0,2% para 0,3%.

Houve revisão ainda no número do varejo ampliado em junho ante maio, que saiu de 6,1% para 6,2%. A taxa de maio ante abril passou de 0,0% para 0,1%, enquanto a de abril ante março saiu de 0,8% para 0,9%. As vendas de fevereiro ante janeiro passaram de -0,8% para -0,9%.

A receita nominal no varejo do comércio varejista aumentou 1,7% na passagem de junho para julho. Como resultado, a média móvel trimestral da receita ficou em 1,3% no trimestre encerrado em julho. Na comparação com julho de 2011, a alta foi de 10,3%. No ano, a receita acumulou alta de 11,8%, e, em 12 meses, 11,3%.

Acompanhe tudo sobre:ComércioEstatísticasIBGEVarejoVendasvendas-diretas

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame