Economia

Sérgio Machado tem licença prorrogada na Transpetro aprovada

Pouco antes das 22 horas de ontem veio a informação de que Sérgio Machado permanecerá na presidência da subsidiária da Petrobras por mais 15 dias


	Transpetro: subsidiária de transportes é responsável por orçamento bilionário de contratação de navios
 (Germano Lüders/EXAME)

Transpetro: subsidiária de transportes é responsável por orçamento bilionário de contratação de navios (Germano Lüders/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de janeiro de 2015 às 14h22.

Rio - Os membros do conselho de administração da subsidiária de transportes da Petrobras, Transpetro, correram contra o tempo para aprovar a segunda extensão da licença do cargo concedida ao presidente, Sérgio Machado.

Machado deveria ter voltado à Transpetro ou deixado definitivamente o cargo na segunda-feira, 5, mas, pouco antes das 22 horas de ontem veio a informação de que ele permanecerá na presidência da subsidiária da Petrobras por mais 15 dias.

A divulgação oficial da prorrogação da licença, por parte da assessoria de imprensa da Transpetro, só foi dada na manhã desta terça-feira, 6, logo no início do expediente, quando o conselho de administração já havia confirmado a decisão costurada no Congresso.

O ex-senador pelo Ceará recorre a parlamentares para tentar ganhar tempo e desvincular o seu nome das denúncias de corrupção feitas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, delator à Polícia Federal na Operação Lava Jato.

Costa disse ter recebido R$ 500 mil diretamente de Machado como pagamento de propina.

Quando a declaração de Costa foi dada à PF, a empresa de auditoria da estatal PricewaterhouseCoopers (PwC) demonstrou constrangimento em validar o balanço financeiro da petroleira, já que, entre os principais executivos no comando da companhia, estava o presidente da Transpetro, denunciado na Lava Jato.

A solução, então, foi afastar Machado.

Renan Calheiros

Nos bastidores, parlamentares do PMDB afirmam que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), padrinho político de Machado, atua para manter a presidência da Transpetro na cota do partido e que as sucessivas prorrogações das licenças do ex-senador cearense são uma tentativa de ganhar tempo para negociar com o Planalto.

A subsidiária de transportes é responsável por um orçamento bilionário de contratação de navios, que, além de movimentar todo setor naval brasileiro, tem o mérito de geração de emprego em grande escala.

Por enquanto, o cargo permanece sendo ocupado interinamente por Cláudio Ribeiro Teixeira Campos, funcionário de carreira da estatal.

Ele está na presidência desde o dia 3 de novembro de 2014, quando começou a licença de Machado.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasConselhos de administraçãoEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisgestao-de-negociosIndústria do petróleoOperação Lava JatoPetrobrasPetróleoServiçosTranspetro

Mais de Economia

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Por que Países Baixos e Reino Unido devem perder milionários nos próximos anos?

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

FGTS tem lucro de R$ 23,4 bi em 2023, maior valor da história

Mais na Exame