Presidente da CNI pede freio no controle de importações

A Argentina aplica desde 2011 uma série de medidas de controle às importações

Buenos Aires - O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, pediu nesta terça-feira, em um fórum na Argentina, que seja deixada de lado a escalada de controle das importações, em referência às medidas comerciais aplicadas pelo governo de Cristina Kirchner.

"É preciso mudar a escalada de controles de importações e outros obstáculos ao comércio através do aprofundamento do diálogo institucional e da cooperação", disse Braga de Andrade ao transcorrer sobre a abertura da 18a Conferência Anual da União Industrial Argentina (UIA), celebrada em um hotel de Campana (60 km ao norte de Buenos Aires).

A Argentina aplica desde 2011 uma série de medidas de controle às importações, ante a necessidade de dólares para arcar com compromissos externos, o que tem gerado críticas de vários países.

Na quarta-feira, a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, falaram no fórum da UIA, concentrada no comércio entre as duas principais economias sul-americanas e maiores sócios do Mercosul (também formado por Uruguai, Paraguai e Venezuela).

Durante seu discurso no fórum chamado "Argentina e Brasil: integração e desenvolvimento e o risco da primarização", Braga de Andrade propôs "intensificar a política econômica e comercial" entre ambos países e "a criação de empresas conjuntas preparadas para agir no mundo".

Segundo o titular da UIA, Ignacio de Mendiguren, "houve uma mudança no Brasil", porque "agora querem uma Argentina industrial e há alguns anos pensavam que a Argentina tinha que ser uma provedora de matérias-primas; eles querem um sócio forte".

A balança comercial bilateral manteve-se favorável ao Brasil em 2011, com um saldo de 5,803 bilhões de dólares, sobre um intercâmbio global de 39,615 bilhões, um recorde histórico, segundo o Ministério da Indústria e Comércio brasileiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.