Polônia olha inquieta para emigração

Com mais de dois milhões de poloneses no exterior, o governo de Varsóvia olha com preocupação para a diminuição da população

Varsóvia - Com mais de dois milhões de poloneses no exterior, principalmente em países da União Europeia, e a emigração aumentando, motivada pelos baixos salários oferecidos na Polônia, o governo de Varsóvia olha com preocupação para a diminuição da população.

Zuzanna Jurczak, empregada de farmácia de 29 anos, já emigrou há algum tempo; saiu do leste, a região mais pobre do país, para a Posnania, no oeste, por acreditar que os salários e as condições de trabalho seriam melhores.

Por isso agora se prepara para uma nova mudança, desta vez a Londres, onde já vivem vários de seus amigos que a encorajam a dar o salto para trabalhar com melhor salário e maior projeção.

"Continuo ganhando muito pouco e, se não fossem meus pais terem me ajudado a comprar um apartamento (de cerca de 40m²), meu salário não me permitiria viver com nenhuma folga", explicou à Agência Efe Zuzanna, que lamentou que na Polônia muitas profissões não sejam suficientemente bem pagas.

O caso de Zuzanna é igual ao de outros milhares de poloneses que, todos os anos, decidem abandonar seu país para se mudarem, principalmente, para o Reino Unido, a Alemanha, a Irlanda e a Escandinávia.

Muitos dos emigrantes poloneses são de pequenas localidades e áreas rurais do leste de país, onde, apesar de haver oportunidades de trabalho (o desemprego na Polônia oscila em torno de 13%), os salários nem sempre alcançam o mínimo, fixado em 400 euros mensais.


O Escritório Central de Estatística da Polônia estima que cerca de 2,1 milhões de poloneses vivam no exterior, um número que chegou a alcançar os 2,3 milhões em 2007, quando a crise econômica fez com que muitos voltassem para casa e fizesse pensar que o êxodo tinha chegado ao fim.

No entanto, nos últimos três anos o número de emigrantes voltou a aumentar e aos trabalhadores não qualificados que saem de zonas rurais se somam jovens graduados que partem com a intenção de economizar durante alguns anos para depois retornar, embora isto nem sempre aconteça.

O responsável pelo sindicato patronal polonês, Henryka Bochniarz, diz que no país existe uma "fuga de cérebros", e que é preciso tentar freá-la para que no futuro o país possa contar com seus próprios talentos.

Para isso o salário médio do país terá que aumentar, já que atualmente mal supera os 3.800 zlotis brutos (R$ 2.900), enquanto o custo de vida cresce nas grandes cidades.

Recentemente, o governo polonês anunciou sua intenção de elevar o salário mínimo e de estudar a possibilidade de impor um salário mínimo por hora de trabalho.

Para a socióloga Malgosia Wos, o número de emigrantes poloneses deveria diminuir pouco a pouco nos próximos anos, conforme a brecha entre a economia polonesa e da Europa ocidental também vá diminuindo.

No entanto, apontou Wos, deve-se levar em conta o lado positivo da situação: um grande número de poloneses emigrou nos últimos anos, o que deu a eles novos conhecimentos, capacidade de adaptação e domínio de idiomas, algo cada vez mais apreciado pelo mercado de trabalho, e o tornará mais valioso no mercado polonês.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.