A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA caem

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego do país caíram 7 mil para um número com ajuste sazonal de 411 mil na semana encerrada em 19 de junho

Um número menor de americanos entrou com novos pedidos de auxílio-desemprego na semana passada conforme a recuperação do mercado de trabalho da pandemia de covid-19 ganha força em meio à reabertura da economia, mas a escassez de pessoas dispostas a trabalhar ainda pode impedir o crescimento mais rápido do emprego no curto prazo.

Como a política dos EUA pode afetar os investimentos? Aprenda a investir com a EXAME Academy

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego no país caíram 7.000 para um número com ajuste sazonal de 411.000 na semana encerrada em 19 de junho, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Os pedidos aumentaram na semana anterior pela primeira vez desde abril, com economistas atribuindo o aumento à volatilidade após o feriado americano "Memorial Day", em 31 de maio.

"Fatores sazonais imprecisos em torno do fim de semana do feriado do Memorial Day provavelmente contribuíram para o aumento nos pedidos iniciais, então o aumento deve ser temporário", escreveram economistas do Bank of America Securities em Nova York em uma nota.

Economistas consultados pela Reuters previam 380.000 novos pedidos para a última semana.

Os registros caíram de um recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020, mas permanecem acima da faixa de 200.000 a 250.000 que é vista como consistente com condições saudáveis do mercado de trabalho.

Pelo menos 150 milhões de americanos já estão totalmente vacinados contra o coronavírus, permitindo a reabertura da economia. Mas milhões de trabalhadores ainda permanecem em casa, frustrando empregadores que procuram desesperadamente mão de obra para atender à crescente demanda, conforme as pessoas deixam suas casas depois de ficarem reclusas por mais de um ano.

Há um recorde de 9,8 milhões de vagas abertas. A falta de creches está mantendo alguns pais, principalmente as mulheres, fora da força de trabalho. Generosos benefícios a desempregados financiados pelo governo, incluindo um auxílio semanal de 300 dólares, também são considerados fatores, assim como a hesitação em voltar ao trabalho por medo de contrair o vírus, aposentadorias relacionadas à pandemia e transições para novas carreiras.

Quatro estados, incluindo Iowa e Alasca, cancelaram o auxílio de 300 dólares ou todos os benefícios financiados pelo governo federal em 12 de junho. No último sábado, outros oito estados se juntaram a eles, incluindo Alabama e West Virginia.

Treze outros estados administrados por governadores republicanos, incluindo o Texas e a Flórida, encerrarão esses benefícios para residentes entre os dias 26 de junho e 10 de julho. Louisiana encerrará o auxílio semanal em 31 de julho, passando a ser o único estado com um governador democrata a encerrar os benefícios federais. Para o resto do país, os benefícios expirarão em 6 de setembro.

O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, disse aos parlamentares na terça-feira que acredita que a economia terá uma forte criação de empregos no outono do Hemisfério Norte. Além de melhorar a situação da saúde pública, trilhões de dólares em auxílio do governo na pandemia também estão apoiando a economia americana.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia. Assine a EXAME 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também